Milhares de fiéis lotam igreja e fazem procissão em homenagem à Santa Luzia 

salvador
13.12.2019, 13:28:00
Atualizado: 13.12.2019, 19:47:34
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Milhares de fiéis lotam igreja e fazem procissão em homenagem à Santa Luzia 

Protetora da visão, santa é homenageada com missas durante toda essa sexta-feira 

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Os olhos da fisioterapeuta Maria Helena Lisboa, 69 anos, brilham. No dia de Santa Luzia, protetora da visão e padroeira dos oftalmologistas, ela foi uma das milhares de fiéis que foi agradecer. Desde as primeiras horas da manhã, a fila já estava formada. Assim como Maria Helena, outros devotos enfrentaram horas no sol para poder levar para casa um pouco da água benta da santa. 

Na ponta da fila, quando conseguiu um pouco da água, a devota fez questão de molhar seus olhos. Para ela, são 12 anos comparecendo às homenagens à Santa Luzia. “Tive catarata e consegui sair bem da cirurgia. Com certeza, ela interviu. Agora, eu agradeço. Venho também pagar a promessa de uma pessoa da família, que estava para perder a visão. Eu pedi e, pela fé, ela continua enxergando ”, conta.

No  caso da aposentada Marta Lopes, 65, que foi cedo à Igreja de Nossa Senhora do Pilar e Santa Luzia, no Comércio, onde é celebrada a principal festa em homenagem à santa, a devoção vem do berço. “Minha mãe me ensinou a ser devota dela. Todo ano acordo cedo pra poder pegar um pouco dessa água e levar pra quem eu amo e quero que ela proteja” conta. Depois de conseguir guardar um pouco da água, ela aguarda pra seguir com a procissão em homenagem à Luzia. 

Fiéis fazem procissão em homenagem à Santa Luzia (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Durante todo o dia, missas serão celebradas para homenagear à Santa. No final da manhã, por volta das 11h, uma procissão saiu da Igreja para percorrer as principais ruas do Comércio. Após o caminho, a imagem de Santa Luzia voltará à igreja onde ainda estão previstas missas às 15h e 17h 

13 de dezembro 

A história de uma jovem italiana que se tornou santa começa com uma graça alcançada por ela. Nascida em uma família rica e cristã, na cidade de Siracusa na Itália, no ano de 283, Luzia era era uma jovem de muita fé . Depois de assitir uma missa, onde o sermão falava sobre cura a jovem então pediu que sua mãe fosse curada. O milagre aconteceu imediatamente. 

Por conta de sua fé, que à época não era bem vista, Luzia foi denunciada e condenada pelo imperador  Com ela foram tentadas diversas punições, sem sucesso. 

A história conta que primeiro tentaram levá-la para uma casa de prostituição, mas seus pés ficaram firmes no chão. Em seguida, tentaram queimá-la viva, mas as chamas não a queimaram  Por fim, os soldados arrancaram-lhe os olhos, mas no mesmo instante, surgiram novos olhos em seu rosto. Era 13 de dezembro de 304, a data que, depois, seria eternizada com homenagens. A história desse dia deu início à devoção à santa e a fez ser conhecida como Santa da Visão.

“Santa Luzia, a exemplo da nossa querida Santa Dulce aqui em Salvador, encantou o coração de todos, doando todos seus bens para os pobres. Ela se colocou totalmente a serviço de Jesus Cristo. Por isso ela intercede por todos nós", explica Dom Estevam dos Santos Silva Filho, bispo auxiliar da Arquidiocese de Salvador, responsável por celebrar a missa festiva ocorrida na manhã desta sexta.

Fila de fé 

Mais de 1700 anos depois do primeiro 13 de dezembro ligado à história de Luzia, quem foi a igreja dedicada a ela na manhã desta sexta-feira (13) tinha seus motivos particulares para agradecer. “Para mim é como um colírio a água de Santa Luzia. Mesmo que precisasse passar o dia debaixo de sol eu passaria, pra poder levar um pouco dessa água para quem eu amo”, conta a funcionária pública aposentada Lucinda Santana, 73. Lucinda chegou ao Comércio às 7 da manhã e depois de mais de três horas de fila voltou para casa com três garrafinhas cheias da água santa.

O taxista Raimundo Leite, 48, também deixou de pegar corridas nesta manhã para prestar homenagens a sua santa de devoção. Quando questionado dos motivos que o levavam a seguir esperando ele é categórico. “Todo dia é dia dela, eu podia vir buscar em qualquer terça-feira, mas a fé também exige sacrifícios e por ela tudo é válido”, explica  

“Contemplar, no dia de hoje, o rosto cansado de centenas de milhares de devotos que ficam na fila debaixo do sol quente, para tocar um pouco na água que brota das pedras dessa igreja, nos enche de esperança. É uma fé simples desse povo, que a exemplo de Santa Luzia tem os olhos iluminados pelo amor. Santa Luzia abriu os olhos de todos para esse Deus da vida", comenta Dom Estevam.

Até as 11h, quando a imagem da Santa saia para as ruas, a fila ainda ultrapassava os portões da igreja. Enquanto via a imagem puxar a procissão, da fila um fiél comentou “É tanta gente que quando eu chegar lá vai ter acabado”. “Essa água nunca acaba, como não acaba a nossa fé. Luiza é Luz”. respondeu outro, prontamente. 

 *Com orientação da chefe de reportagem Perla RIbeiro
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas