Moradores de Salvador podem acolher crianças temporariamente em casa

salvador
22.03.2021, 13:45:00
Atualizado: 22.03.2021, 13:50:22
(Bruno Concha/Secom)

Moradores de Salvador podem acolher crianças temporariamente em casa

Veja pré-requisitos e como participar de processos que envolvem crianças e adolescentes afastados de suas famílias devido a medidas protetivas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Será realizada nesta terça-feira (23), às 19h, uma capacitação de famílias que estejam dispostas a acolher em suas residências crianças e jovens entre 0 e 18 anos incompletos, que estão afastados de suas famílias devido a medidas protetivas judiciais. O objetivo é oferecer moradia até que esses menores possam voltar para sua família de origem.

O projeto é desenvolvido pela Fundação Cidade-Mãe (FCM), vinculada à Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ). O processo de capacitação faz parte do Serviço Família Acolhedora (SFA).

Para participar, é necessário ter residência em Salvador. O processo será realizado por meio do Google Meet. Até o momento, o serviço capacitou quatro famílias para receberem os jovens em casa. Duas já começaram o processo de acolhimento, enquanto outras duas estão aguardando crianças no seu perfil. Além disso, mais duas famílias se candidataram para participar da qualificação.

A assistente social do SFA, Denísia Ribeiro, explica que o acolhimento, mesmo em caráter temporário, é fundamental para esses menores. “Refletir com as famílias sobre esses temas visa fortalecer o papel desse acolhimento, que se caracteriza pela oferta do cuidado e proteção dentro de um lar, fortalecendo essa criança ou adolescente para que cresça de forma saudável e com mais segurança emocional e psíquica”.

Como participar
Para se tornar uma Família Acolhedora, é necessário participar do processo de habilitação, capacitação e seguir alguns requisitos. É preciso ter idade superior a 21 anos, não possuir vínculo de parentesco com a criança ou adolescente no processo de acolhimento, dispor de tempo para oferecer proteção e residir em Salvador há mais de dois anos.

Além disso, é necessário apresentar declaração de não interesse na adoção e nem estar habilitado para adotar. Será preciso comprovar também condições físicas e mentais saudáveis, para acolher em segurança.

O processo de habilitação pode ser iniciado através de cadastro no site www. familiaacolhedora. salvador. ba. gov. br ou pelo telefone (71) 3202-2429. É possível também entrar em contato pelo endereço de e-mail: familiaacolhedora.fcm@salvador.ba.gov.br.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas