Moraes cita 'gabinete do ódio' e assessores de Bolsonaro em decisão

em alta
27.05.2020, 13:56:00
Atualizado: 27.05.2020, 13:59:59
(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Moraes cita 'gabinete do ódio' e assessores de Bolsonaro em decisão

Ministro do STF autorizou ação da PF em operação contra fake news

O ministro Alexandre Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), citou a suspeita de participação do chamado gabinete do ódio no esquema que dissemina notícias falsas e ataca autoridades e instituições. O gabinete do ódio é o nome dado a servidores lotados na Presidência da República que teriam envolvimento com ações do tipo nas redes sociais. Moraes determinou medidas de busca e apreensão contra políticos, empresários e ativistas bolsonaristas nesta quarta-feira (7).

Na decisão que autoriza a ação da Polícia Federal, ele diz que os congressitas teriam ligações com o gabinete do ódio.

“As provas colhidas e os laudos periciais apresentados nestes autos apontam para a real possibilidade de existência de uma associação criminosa, denominada nos depoimentos dos parlamentares como `Gabinete do Ódio’, dedicada a disseminação de notícias falsas, ataques ofensivos a diversas pessoas, às autoridades e às instituições, dentre elas o Supremo Tribunal Federal, com flagrante conteúdo de ódio, subversão da ordem e incentivo à quebra da normalidade institucional e democrática”, escreveu o ministro.

Na decisão, ele cita depoimentos de deputados federais que descreveram o esquema que teria sido usado em campanhas de difamação contra adversários e para avançar pautas antidemocráticas. Heitor Freire (PSL-CE), citado por Moraes, menciona diretamente assessores da Presidência. 

“É do conhecimento do depoente que Matheus Sales, Mateus Matos Diniz e Tercio Arnaud Tomaz, todos assessores especiais da Presidência da República, são os integrantes principais do chamado ‘Gabinete do Ódio’, que se especializou em produzir e distribuir fake news contra diversas autoridades, personalidades e até integrantes do Supremo Tribunal Federal”, afirmou o parlamentar em depoimento.

Ele diz ainda que o gabinete controla grande quantidade de páginas de redes sociais que ajudam a disseminar o conteúdo. "Essa organização conta com vários colaborados nos diferentes estados, a grande maioria sendo assessores de parlamentares federais e estaduais".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas