Morar perto de tudo é bom, mas... Trânsito e barulho podem causar problemas

economia
25.10.2018, 06:00:00
Atualizado: 25.10.2018, 06:00:10

Morar perto de tudo é bom, mas... Trânsito e barulho podem causar problemas

Moradores de áreas consolidadas citam estratégias e cuidados para reduzir transtornos
Luize Silva vai a pé para o shopping, mas já teve carro multado mesmo estacionado na frente de seu prédio
(Foto: Evandro Veiga/CORREIO)

Sair caminhando de casa e conseguir resolver todos os problemas sem precisar de transporte automotivo é provavelmente o sonho de qualquer soteropolitano. Só que o preço a pagar pela comodidade pode ser caro, já que imóveis em bairros consolidados podem ter preços até 20% mais altos do que em outras partes da cidade. E como nem tudo que reluz é ouro, entre trânsito e barulho, viver perto de polos de comércio ou serviços pode ter sua cota desvantagens.

Bem sabe disso a administradora de empresas Luize Silva. Moradora de um prédio na rua Martagão Gesteira, marginal da Av. Centenário, quando conta que vai a pé de casa ao Shopping Barra surpreende as amigas que moram em regiões mais distantes. "Hoje as pessoas estão habituadas a pegar carro para fazer tudo. Eu não me vejo morando em outro lugar que não seja aqui, pois caminhando eu resolvo tudo", diz. Ela alerta, porém, que por vezes morar na região tem suas desvantagens. "O trânsito fica caótico em épocas de festas, principalmente no Carnaval, quando o acesso à rua onde moro é permitido apenas para carros com adesivo. Quando temos algum evento no canteiro da Centenário, muitos carros estacionam aqui no entorno. Já fui multada na frente do meu próprio prédio, pois não temos vagas de garagens para todos os moradores, isso sem contar o fator barulho", enumera. 

Barulho
O barulho também é um desafio constante para a aposentada Gisélia Pimentel, que mora na rua Leovgildo Filgueiras, no Garcia. Em dias de evento, a sua sala de estar se transforma em um camarote para a Concha Acústica. "Não chega a ser um grande problema, pois na maior parte das vezes os shows não vão até tarde, mas complica para ver TV ou descansar, mas admito que às vezes até assisto o show, pois gosto", comenta. Para evitar transtornos no trânsito, ela busca solucionar as demandas do dia a dia a pé. "A vantagem de ter tudo perto é essa, não dependo do trânsito para nada, mas tenho que me programar e alertar as visitas. Tenho uma amiga que sempre me visita no Carnaval, mas ela já vem avisada que não vai ter como ficar usando o carro”, afirma.

"Não chega a ser um grande problema, pois na maior parte das vezes os shows não vão até tarde, mas complica para ver TV ou descansar" - Gisélia Pimentel, aposentada.

A habilidade de programar a rotina de acordo com o trânsito foi adquirida pelo arquiteto Hélio Simões há mais de dez anos, quando se mudou com a família para o Jardim Baiano, bairro próximo à Arena Fonte Nova. “Como sou torcedor do Bahia, foi uma mão na roda pois vou andando para os jogos. Porém, em dias que os jogos são marcados para mais cedo, tenho que programar o horário de saída e de chegada em casa, para não ficar preso no engarrafamento aqui na região de Nazaré”, explica. 

Ele diz que a dor de cabeça enfrentada com alguns contratempos em dias de jogos foi compensada pela valorização do imóvel após a requalificação da área e a reconstrução do estádio, além da chegada do metrô, que virou alternativa para o carro que agora passa mais tempo na garagem. “Existem sim algumas desvantagens, mas morar em um local consolidado tem muito mais prós que contras. Com um pouco de jogo de cintura a gente nem chega a sentir o incômodo”.

Adaptação
De acordo com o segundo vice presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis da Bahia (CRECI-Ba), o consumidor que vai ao mercado em busca de imóveis localizados em regiões privilegiadas por polos de comércio, serviços e lazer, em geral, já tem noção dos problemas que o espera, mas as a balança entre vantagens e desvantagens costuma atrair muito mais do que afastar. “A questão do barulho pode pesar como contra, mas o trânsito quase nunca é empecilho para quem passa a ter a possibilidade de fazer tudo andando”, afirma. "Mais vale buscar se adaptar aos desafios em prol dos benefícios que são muito maiores". 

Hoje, imóveis nessas áreas, ainda segundo José Alberto, chegam a ter fila de espera, mesmo com valores cerca de 20% mais altos do que em outros pontos da cidade.

Região ‘8 ou 80’ pode gerar prejuízos
Uma das características que regiões consolidadas costumam oferecer para os seus moradores é a famosa "vida nas ruas", o comércio movimenta as vias públicas criando, inclusive, um ambiente de maior segurança para quem reside no local. Porém, em algumas áreas de Salvador ocorre o efeito contrário, o que provoca  desvalorização imobiliária. 

José Alberto de Vasconcellos, do CRECI, aponta o Centro, principalmente a região da Avenida Sete de Setembro e adjacências como uma das regiões mais desafiadoras para os corretores de imóveis em Salvador para  negociar imóveis comerciais para venda ou locação. A região que durante o dia ferve com o movimento de pessoas, causando transtorno no trânsito e incômodo com o barulho, à noite, com o fechamento do comércio, se transforma em um deserto levando medo a quem reside por lá. "Esse é um caso de desvalorização provocado por situação de 8 ou 80, durante o dia excesso de movimento e à noite, ausência. Os imóveis perdem 20% do valor ou mais, em algumas ocasiões", explica. 

Mas mesmo com esses contras, o negócio pode ser uma boa oportunidade para o consumidor, que consegue negociar um preço mais vantajoso. Contudo, é importante estar predisposto a passar pela mesma perda de valor na hora de revender.“A gente aconselha que o consumidor esteja ciente de todo o quadro que ele vai encontrar e que pense bem no seu planejamento de vida antes de investir em áreas muito adensadas, pois na mesma proporção dos prós, existem contras”, fala José Alberto. “Na minha empresa, por exemplo, temos imóveis residenciais em regiões predominantemente comerciais que afugentam compradores por conta do receio com a segurança à noite e em finais de semana. É  importante estar atento”, diz. 
 

É importante estar de olho nos prós e contras

Análise Estude bem o local para  onde você está planejando se mudar. Fique atento aos polos geradores de tráfego, horá-
rios de pico, incômodos causados por barulhos externos e a segurança na rua.

Sazonais Algumas regiões da cidade sofrem bloqueios sazonais em decorrência de eventos pontuais, a exemplo do entorno dos circuitos do Carnaval e ruas que costumam ser fechadas pela  Prefeitura para realização de eventos esportivos ou de lazer em finais de semana.

Trânsito Se o trânsito se torna caótico em determinados horários do dia, você pode adaptar a sua rotina para evitá-lo. Caso alguma instituição ou comércio esteja causando transtornos, a Transalvador deve ser acionada para que a instituição contrate um monitor de trânsito que evite os engarrafamentos.

Barulho De acordo com a Lei 5.354/98, o volume permitido entre 7h e 22h é de 70 decibéis, e de 60 decibéis das 22h às 7h. Caso a vizinhança esteja excedendo o limite do barulho, a denúncia pode ser realizada através do Fala Salvador, no telefone 156. A  multa pode variar entre R$ 813 e 
R$ 135 mil.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas