Morre um dos fundadores do Instituto de Saúde Coletiva da Ufba

salvador
16.08.2021, 11:48:00
Atualizado: 16.08.2021, 12:13:39
(Divulgação/ISC)

Morre um dos fundadores do Instituto de Saúde Coletiva da Ufba

Professor estava hospitalizado com problemas cardíacos; enterro será na tarde desta segunda (16)

Um dos fundadores do Instituto de Saúde Coletiva, da Universidade Federal da Bahia (Ufba), o professor Sebastião Antônio Loureiro de Souza e Silva, morreu no último domingo (15), em Salvador. Tião, como era carinhosamente chamado pelos amigos, estava hospitalizado com problemas cardíacos e chegou a passar por uma cirurgia. O corpo do professor será enterrado nesta segunda-feira (16), às 17h, no Cemitério Jardim da Saudade.

Em nota, o ISC destacaou que o professor Tião "sempre foi um exemplo para todos nós, com a sua forma única de olhar a vida e relacionar-se com os colegas, alunos e funcionários. Gentil, generoso, inteligente, criativo, sempre esteve atento às possibilidades de inovação e desenvolvimento institucional, comprometido com o fortalecimento do campo da Saúde Coletiva e da luta social e política em defesa da Reforma Sanitária Brasileira e por uma sociedade justa e democrática".

Médico formado na Ufba (1964), com mestrado em Tropical Public Health – University of London (1968) e doutorado em Epidemiologia – University of Texas System (1978), ele era professor Emérito da Ufba e decano do Centro de Formação em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB).

Tião construiu sua trajetória acadêmica ao ingressar como professor do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina. Visionário, sonhou e construiu, junto com vários colegas, o ISC, espaço onde sempre se destacou pela visão ampla dos horizontes científicos, tecnológicos e humanísticos da pesquisa e das práticas de Saúde Coletiva.

Presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), no momento da realização da 8ª Conferência Nacional de Saúde, em 1986, Tião conduziu os trabalhos do grupo de militantes que contribuiu para a incorporação do direito universal à saúde na Constituição Federal de 1988. Teve também importante atuação no plano internacional, tendo sido presidente da Associação Latino-Americana de Medicina Social (Alames) e da International Association of Health Policy (IAHP).

"Seu legado continuará conosco, inspirando as novas gerações da Saúde Coletiva no Brasil, na América Latina e no mundo. Deixa a saudade nos amigos e companheiros que cultivou ao longo de sua vida, em que buscou, como nos dizia, 'novas formas de pensar, de trabalhar e de amar'. O Instituto de Saúde Coletiva se solidariza com os familiares, colegas e amigos do professor".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas