Morre vigilante de carro-forte baleado durante assalto em Amaralina

salvador
17.09.2018, 17:52:07
Atualizado: 17.09.2018, 18:40:27

Morre vigilante de carro-forte baleado durante assalto em Amaralina

Vítima, baleada duas vezes, passou sete dias em UTI no HGE

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Juarez Santos de Oliveira, 44, foi baleado no tórax e virilha (Foto: Leitor via WhatsApp)

O segurança de carro-forte Juarez Santos de Oliveira, 44 anos, que foi baleado na noite de terça-feira (4), durante um assalto ao carro-forte em que trabalhava, no bairro de Amaralina, não resistiu aos ferimentos.

Funcionário da empresa Prosegur, ele ficou sete dias internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Geral do Estado (HGE), mas veio a óbito na tarde desse domingo (16). A informação foi confirmada ao CORREIO, nesta segunda-feira (17), por agentes do posto da Polícia Civil da unidade de saúde.

Baleado duas vezes, na região da virilha e tórax, o segurança chegou a passar por duas cirurgias para retirada das balas, mas acabou apresentando complicações no quadro clínico.

O crime aconteceu por volta das 17h, na Rua Balneário, em frente ao supermercado Atakadão Atakarejo.

Além de Juarez, outro vigilante, que também ficou ferido na ação, foi socorrido para um hospital particular da cidade. Ele não teve a identidade revelada e nem há informações sobre seu estado de saúde atual. 

Até o início da noite desta segunda-feira, conforme a Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA), ninguém foi preso ou identificado pelo crime.

Segundo a família, o corpo de Juarez foi sepultado nesta segunda-feira. O horário e local não foram divulgados.

Pânico
Segundo a polícia, cinco homens armados chegaram ao local em um carro modelo HB20 cinza e abordaram os vigilantes quando estes saíam do supermercado em direção ao carro-forte em posse de malotes de dinheiro.

Sem se identificar, o funcionário de um estabelecimento que fica na mesma rua disse ao CORREIO que houve pânico e correria na hora da ação.

"Foi tanto, tanto tiro... Não dava pra contar. Todo mundo, inclusive eu, só pensou em correr. Todo mundo entrou correndo no mercado pra fugir dos tiros", lembra o rapaz.

De acordo com a testemunha, que trabalha no local há 16 anos, o tiroteio aconteceu por volta de 17h10. "Não consegui ver quantos eram, não olhei. Só lembro dos tiros e do pânico. Aqui é meio sinistro à noite, mas cedo, como foi, é de assustar. Nunca vi uma coisa daquelas. Parecia cena de filme", completou. 

Embora a SSP-BA tenha informado que cinco bandidos participaram do roubo, o registro policial do HGE diz que o rapaz estava trabalhando quando foi abordado por oito homens armados, em dois veículos modelo HB20, sendo um branco e um marrom, e reagiu à ação dos bandidos. 

A Polícia Civil informou um malote foi levado pelos criminosos, mas ainda não há informações sobre o valor roubado.

A empresa lamentou o falecimento do funcionário. "A Prosegur lamenta mais uma vez o ocorrido, informa que está dando assistência à família de seu colaborador e reforça que está à disposição das autoridades colaborando para o andamento das investigações", informou, em nota.

O Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) e a Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR) investigam a ação criminosa. Quem tiver informações sobre o bando pode denunciar através do 3235-0000 (Disque-Denúncia) ou 190.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas