Morto em tiroteio no Porto da Barra é suspeito de tráfico de drogas, diz polícia

salvador
06.09.2021, 06:56:00
Atualizado: 06.09.2021, 07:33:59

Morto em tiroteio no Porto da Barra é suspeito de tráfico de drogas, diz polícia

Ele seria alvo dos criminosos; mãe e outro homem também foram baleados

O homem morto depois de ser baleado no tiroteio do Porto da Barra na noite de domingo (5) é suspeito de envolvimento com tráfico de drogas. Ele foi identificado como Rodrigo Cerqueira de Jesus, conhecido como Tosca, segundo a Polícia Civil. Socorrido ao Hospital Geral do Estado (HGE), ele chegou já sem vida à unidade.

Os outros dois baleados são a mãe de Rodrigo e outro homem de identidade não divulgada. Ambos também foram socorridos ao HGE e não há detalhes sobre o estado de saúde deles.  Tosca, que seria o alvo dos bandidos, é suspeito de fazer parte de uma facção que atua no bairro do Cosme de Farias.

O caso é investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A principal suspeita é que o caso tem relação a disputa de tráfico de drogas.  A equipe Silc/DHPP esteve no local e expediu as guias periciais e de remoção. A polícia vai buscar testemunhas, ouvir os sobreviventes e também analisar imagens do local.

Os tiros começaram no final da tarde, na Rua Barão de Sergy.  Moradores da região contam que foram, ao menos, cinco disparos efetuados na esquina com a Rua Cézar Zama. 

"Pensei que fosse bomba"
Uma testemunha narrou que estava em casa quando ouviu os disparos. “Inicialmente, pensei que fosse bomba”, conta. Ao chegar na janela, a moradora, que preferiu não ser identificada, disse que viu dois homens caídos no chão.

Uma mulher que se apresentou como mãe de uma das vítimas ficou abraçada a ela enquanto gritava “meu filho”. O registro inicial da Superintendência de Telecomunicações (Stelecom) da SSP, no entanto, a incluiu na lista de baleados, o que foi confirmado, em nota, pela Polícia Civil.

De acordo com o relato da testemunha, a Polícia Militar e a Guarda Civil Municipal chegaram rapidamente ao local após os disparos. Pelo menos cinco viaturas, incluindo um camburão, e dezenas de policias se aproximaram.

As vítimas foram colocadas no fundo de uma viatura, que seguiu para o HGE.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas