Motorista prende perna de passageira em porta de ônibus em Salvador

salvador
15.10.2018, 17:19:00
Atualizado: 15.10.2018, 21:54:58

Motorista prende perna de passageira em porta de ônibus em Salvador

Vendedora que seguia para o trabalho ficou machucada e denunciou caso; veja vídeo

Motorista manteve perna de jovem presa por mais de dois minutos; panturrilha ficou marcada (Foto: Reprodução)

A vendedora Karol Ferro, 23 anos, passou por um momento de desespero na última sexta-feira (12), a caminho do trabalho, no Shopping Barra, em Salvador. Ela estava em um ônibus da Integra (nº 10768), que faz a linha Pituba-Campo Grande R2, e, ao ver o sinal vermelho em frente ao Morro do Cristo, perguntou se o motorista poderia deixá-la descer antes do ponto de parada.

No entanto, mesmo tendo permitido à passageira saltar do ônibus, no momento em que Karol colocou uma das pernas para fora do veículo, o motorista, imediatamente, fechou a porta, prendendo a perna dela, do joelho para baixo, do lado de fora. “Não sei o que levou ele a fazer isso comigo”, disse a jovem ao CORREIO.

Desesperada, Karol pediu insistentemente para o motorista abrir a porta traseira, e contou com apoio dos demais passageiros, também revoltados com a situação. “Quando entrei, dei ‘bom dia’ e nem ele, nem o cobrador me responderam. Já estavam de mau humor ou irritados com alguma coisa. Quando minha perna ficou presa, ele só sabia dizer que ‘só ia abrir quando quisesse’”, contou a vendedora.

“Eu fiquei com a perna presa e gritando para ele me soltar. No início, tentei tirar a perna e puxar para dentro do ônibus, mas, a cada movimento, eu me machucava ainda mais. Estou com a perna roxa, sentindo muita dor”, relatou Karol, que estava a caminho do plantão no feriado.

Denúncia
De acordo com a advogada de Karol, Ludmilla Aguiar de Oliveira, o motorista “ignorou o apelo de todos e não abriu a porta por uma longa distância, até que finalmente a soltou já depois do posto de combustíveis, próximo da Associação Atlética [da Bahia]”.

No boletim de ocorrência (B.O.), registrado na tarde desta segunda (15), a situação foi registrada como lesão corporal culposa conforme a Lei 9.503, artigo 303, que prevê detenção de seis meses a dois anos, além de suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.

Mesmo com medo e presa na porta do coletivo, a jovem conseguiu tirar foto do número de identificação do ônibus, bem como filmar a ação do motorista. Ao descer do veículo, procurou uma viatura da Polícia Militar e foi encaminhada à 14ª Delegacia (Barra), que fica nas proximidades do local em que foi liberada.

“Mas eu precisava ir primeiro para o trabalho. Fui até o Shopping Barra e, da loja, postei o vídeo nas redes sociais. Foi aí que minha irmã e a advogada viram e foram ao meu encontro. Elas me levaram para a delegacia, onde eu registrei a ocorrência”, disse a jovem, que ainda passará por exame de corpo de delito.

Karol ainda desabafou que, depois do ocorrido, está com medo de andar de ônibus. “Os motoristas acabam sendo os mesmos e, na volta do trabalho, eu desço já no fim de linha e fico sozinha no veículo. O motorista que prendeu minha perna com certeza fez isso só porque eu sou mulher”, declarou.

A Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob) afirmou que ainda não foi comunicada do fato, mas que, qualquer denúncia contra motoristas é resolvida com o Consórcio Integra, que administra os ônibus da frota urbana de Salvador. “A relação da secretaria é com a empresa e não com o funcionário”, informou a assessoria da Semob.

O CORREIO tentou contato com a Integra, mas, até o fechamento da matéria, as ligações e mensagens não foram respondidas.

Atualização: A Semob informou que o motorista foi identificado e afastado das atividades.

*Com supervisão do editor João Galdea.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas