MP denuncia delegado de Salvador que disse: 'não vou almoçar com essa negrada'

salvador
22.05.2020, 08:40:00
Atualizado: 22.05.2020, 08:43:34

MP denuncia delegado de Salvador que disse: 'não vou almoçar com essa negrada'

Delegado foi denunciado por crimes de discriminação e injúria raciais contra colegas de trabalho, cometidos durante o Carnaval

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


O Ministério Público estadual ofereceu denúncia contra o delegado de polícia Vinícius Moreira Pereira de Souza Leão por crimes de discriminação e injúria raciais contra colegas de trabalho, cometidos durante o Carnaval 2020, quando ele atuou de plantão na Central de Flagrantes, localizada no Campo Grande. A denúncia foi formalizada na última quarta-feira (20).

Conforme a denúncia, baseada em inquérito policial e oferecida pela promotora de Justiça Márcia Teixeira, no dia 25 de fevereiro o delegado chamou um digitador que trabalhou na Central de “Buiú”, “apelidando-o mesmo sem qualquer intimidade”. O denunciado também se recusou a participar de um almoço de confraternização, no qual havia pessoas negras, falando que “não almoçaria com essa negrada”.

Na denúncia, a promotora aponta ainda que o delegado retirou, “reiteradas vezes”, a vítima dos apelidos racistas das suas atividades laborais de digitador, para que ele o acompanhasse em suas refeições como “espécie de segurança pessoal”. Segundo a promotora de Justiça, as provas colhidas durante o inquérito policial, conduzido pela Corregedoria da Polícia Civil, foram “fundamentais” para o embasamento da denúncia.

Na ocasião, o caso se tornou público após a Comissão de Promoção de Igualdade Racial da Ordem dos Advogados do Brasil - seção Bahia (OAB-BA) tomar conhecimento da suposta atitude do delegado em um dos postos de trabalho do Campo Grande. Na ocasião, a presidente da comissão da OAB-BA, a advogada Dandara Lucas Pinho, nesta quinta-feira (27) informou que o órgão iria acionar o Ministério Público para saber o que a Corregedoria fez em relação ao fato.

O caso foi registrado como injúria racial no Posto de Atendimento a Vítimas de Crimes de Racismo e Outros Delitos de Intolerância (PAVRI), no Largo Dois de Julho.

“A comissão repudia veementemente qualquer declaração racista, especialmente oriunda de preposto do Estado, repudiando também o racismo institucional e estrutural, haja vista a existência de núcleos especializados para registro de casos de racismo no Carnaval, bem como o dever de o Estado implementar a delegacia especializada permanente conforme consta no artigo 79 do Estatuto de Promoção da Igualdade Racial e Combate à Intolerância Religiosa do Estado da Bahia e que atitudes como estas não devem ser tratadas como mera especulação, tampouco como ‘mimimi’ ou vitimismo destas que foram vítimas das marcas do período escravocrata que o Brasil ainda convivera”, declarou Dandara.  

Procurado pelo CORREIO na ocasião, o advogado Oberdan Valdez, que defende o delegado, disse que o cliente não cometeu o crime. “Foi constatado que ele não cometeu o ato de racismo, tanto que não ficou preso”, disse Valdez, que atua pelo Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia (Sindpoc).

Segundo a assessoria de comunicação da Polícia Civil, o suspeito e testemunhas foram ouvidos no mesmo dia, na Correpol, situada na Chapada do Rio Vermelho. Apesar de Leão ter sido conduzido à unidade, não houve flagrante por falta de provas. Ele deixou a corregedoria no mesmo dia.

Valdez disse ainda que, apesar do relato de testemunhas, ninguém presenciou o suposto ato racista. “As testemunhas disseram que nada viram, que apenas ouviram falar. Ou seja, se não tem nada escrito, não tem prova”, comentou ele, referindo-se aos depoimentos colhidos na corregedoria. O Sindicato dos Delegados da Polícia Civil do Estado da Bahia (ADPEB) informou que também o corpo jurídico da entidade acompanha o caso.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/em-audio-neymar-xinga-padrasto-e-parca-sugere-enfiar-o-cabo-de-vassoura/
Papo revela comentários homofóbicos de jogador e preocupação com namoro da mãe, que teria sofrido tentativa de agressão de Tiago Ramos; Nadine nega
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/patroa-ajudou-crianca-que-caiu-de-predio-a-entrar-no-elevador/
Miguel, de 5 anos, morreu; petição que pede justiça tem mais de 77 mil assinaturas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/morre-aos-85-anos-atriz-maria-alice-vergueiro-do-meme-tapa-na-pantera/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/manifestantes-ateiam-fogo-em-onibus-na-paralela-veja-video/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rodamos-na-nova-versao-da-ranger-a-storm/
Em vídeo, jornalista automotivo analisa a cabine dupla diesel
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/idoso-de-81-anos-e-o-100o-paciente-com-covid-19-a-ter-alta-no-hospital-portugues/
Unidade comemorou liberação do homem, que deu entrada há seis dias com 50% do pulmão comprometido
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-um-susto-targino-se-prepara-para-cantar/
Músico sofreu grave acidente de carro, mas escapou ileso e agora se prepara para fazer lives
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sao-joao-sera-comemorado-com-maratona-de-lives-promovidas-pelo-correio/
Serão seis apresentações de bandas e cantores durante o projeto, que arrecadará doações
Ler Mais