Mulher que lidera o PCC no Ceará é presa no bairro da Pituba

salvador
24.06.2022, 13:30:00

Mulher que lidera o PCC no Ceará é presa no bairro da Pituba

Ela assumiu o posto após a prisão do ex, “Vicente Peru”, condenado a mais 19 anos de reclusão 

Em um dos bairros nobres de Salvador, circulava uma das lideranças da maior organização criminosa do país. A chefe do Primeiro Comando da Capital (PCC) no Ceará, Jéssica Andrade da Silva, 28 anos, foi presa no bairro da Pituba nesta quarta-feira (22).  

Jéssica assumiu o controle da facção após a prisão do então companheiro Vicente Antônio de Freitas Filho, 36, conhecido como “Vicente Peru” – ele estava à frente da organização até 2016, quando foi em Goiás e no ano seguinte transferido para a prisão federal de Catanduvas (PR). 

Na ocasião, ele constava na lista dos mais procurados pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS-CE). Em abril de 2018, o traficante foi a júri popular por homicídio duplamente qualificado e foi condenado a 19 anos e 8 meses de reclusão em regime fechado.  

De acordo com a Polícia Civil da Bahia (PC-BA), agentes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) cumpriram nesta quarta um mandado de prisão preventiva contra uma mulher de 28 anos, suspeita do crime de organização criminosa. A determinação judicial havia sido expedida em maio pela Vara de Delitos de Organizações Criminosas da Comarca de Fortaleza. 

"Ela foi encaminhada à Coordenação de Polícia Interestadual (Polinter), que comunicou a prisão à Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social e ao Poder Judiciário”, diz nota enviada à redação do CORREIO.  A localização exata da prisão de Jéssica não foi informada.

O cumprimento do mandado de prisão preventiva ocorreu após uma ação conjunta entre a Coordenadoria de Inteligência (Coin) da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS), a Superintendência de Inteligência da Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA) e a PC-BA. 

Jéssica lidera o PCC no Ceará e foi presa na Pituba, em Salvador. Ela assumiu o posto do ex, o traficante "Vicente Peru" (Foto: Arquivo pessoal)

Ostentação
De acordo com as investigações, com a ida de “Vicente Peru” para o Sistema Penitenciário Federal em 2017, a relação do casal chegou ao fim. Mas Jéssica passou a exercer funções do ex, tendo conhecimento das transações da organização.  Antes de se tornar líder, Jéssica participava, em determinadas ocasiões, diretamente das ordens de “Vicente Peru” ou colaborava para que as ordens dele fossem cumpridas.

Nas redes sociais, a traficante ostentava uma vida de luxo. Nas fotos do seu perfil numa rede social, ela aparece no comando de uma aeronave numa escola de avião civil da cidade de Canelas, no rio Grande do Sul. 

Em outras imagens, a líder do PCC no Ceará registrou momentos em iates, um deles em Punta Cana, o mais importante destino procurado pelos turistas na República Dominicana, por conta de suas praias de areia branca e milhares de atrativos de lazer, como cassinos, quadras de tênis e mais de 30 resorts.  O perfil de Jéssica foi desativado.

2ª vez
Esta não foi a primeira vez que Jéssica é presa. Em setembro de 2016, ela estava junto com o então companheiro quando ele foi preso em Goiás. Além dela e de  “Vicente Peru”, o segurança do traficante, Francisco José Costa, também foi surpreendido pela polícia local em um hotel da cidade. 

Abordados, os três apresentaram identidades falsas.  Conforme as investigações, o trio estaria articulando a entrada de drogas na cidade. Em paralelo, em Fortaleza, a Polícia Civil do Estado do Ceará localizou um laboratório de drogas que pertencente a Vicente. Um casal foi preso.  

Histórico
À época, a prisão de “Vicente Peru” foi comemorada pela polícia cearense. Isto, pelo fato de que o homem é considerado de "alta periculosidade” pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS-CE).

Ele era conhecido por agir com extrema violência, decapitando suas vítimas. Conforme a Polícia, além do tráfico de drogas, é investigado também por sequestro, extorsão, homicídio, roubos e ataques a bancos e outros crimes. Ele também era foragido da antiga Casa de Privação Provisória de Liberdade Agente Luciano Andrade Lima (CPPL 1), no município de Itaitinga, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas