Mulher surta e quebra guichê de companhia aérea em aeroporto: 'Descaso da Gol'

em alta
03.11.2021, 18:36:19

Mulher surta e quebra guichê de companhia aérea em aeroporto: 'Descaso da Gol'

Entenda a história por trás do vídeo que viralizou

O vídeo de uma mulher quebrando o guichê de uma companhia área no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, viralizou nas redes sociais. As imagens, filmadas nesta segunda-feira (1), foram protagozinadas pela mineira Kênia Leandra da Silva Lopes, de 39 anos, que explica o ocorrido.

"Surtei por descaso da Gol. Uma mãe cansada, com bebê de 5 meses, chorando, sem leite, sem fralda, sem comer, esperando por sete horas em um aeroporto, sem notícias. Qualquer mãe faria o mesmo no meu lugar", disse em entrevista ao g1.

De acordo com ela, a a confusão começou após o cancelamento do voo dela em direção a Confins, em Minas Gerais. O avião chegou a decolar, mas, após sobrevoar o aeroporto mineiro por 20 minutos, o piloto decidiu regressar para São Paulo, pois as condições climáticas não favoreciam o pouso em Confins.

Após o retorno para Guarulhos, a analista disse que eles ficaram por três horas dentro da aeronave, sem alimentação, aguardando informações.

"Avião cheio, quente, tinha idosos e crianças no voo, meu filho começou a chorar, eles só ofereciam água para gente. O leite e fraldas da mala de mão acabaram e eles não autorizaram que eu pegasse a bagagem, só liberaram os passageiros saírem do avião quando ligamos para polícia e Anac", disse.

Segundo ela, como já era madrugada, todos os passageiros estavam cansados, o bebê dela chorava muito e eles não tinham informações do que fazer. Por isso, ela e o marido tiveram um "ataque de fúria".

No vídeo é possível ouvir Kênia dizendo aos atendentes que demorou 16 anos para conseguir ter o filho. "Eu gastei R$ 50 mil. Se esse menino adoecer por acontecer alguma coisa com ele, eu juro que eu mato. Coloca meu filho em um hotel".

De acordo com Kênia, ela e o marido terão que pagar cerca de R$ 5 mil de prejuízo da quebra dos guichês e de uma impressora da companhia área.

Depois da confusão, a família foi levada para um hotel localizado a 1h30 do aeroporto de Guarulhos e o voo para BH foi remarcado para a tarde do dia seguinte.

O casal registrou um boletim de ocorrência contra a companhia e diz que vai entrar na Justiça.

"Sofremos demais, vamos procurar nossos direitos por tudo que passamos. Total descaso e falta de respeito", disse ao g1.

Posicionamento da Gol:

"A GOL informa que, após a decolagem na noite de segunda-feira (1), o voo G3 1324 (Guarulhos - Confins) precisou retornar ao Aeroporto de Guarulhos por conta das condições meteorológicas adversas em Confins. A Companhia ressalta que ofereceu o suporte necessário a todos os Clientes com alimentação e acomodação em hotéis na região metropolitana de São Paulo onde havia disponibilidade de quartos para seguirem viagem em voos programados para a terça-feira (2). Alguns Clientes, por motivo de segurança, seguiram em voos de outras companhias para Confins. A GOL reforça que todos os procedimentos adotados a partir da necessidade de retorno à base de Guarulhos foram realizados com foco na Segurança, valor número 1 da Companhia".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas