Não é verdade que vacina contra a covid-19 cause câncer, danos genéticos e 'homossexualismo'

coronavírus
29.10.2020, 18:30:00

Não é verdade que vacina contra a covid-19 cause câncer, danos genéticos e 'homossexualismo'

Um engenheiro que se identifica como "doutor" nas redes sociais divulgou um áudio no qual faz alegações fantasiosas sobre a covid-19 e as vacinas que estão sendo pesquisadas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

  • Conteúdo verificado: Em um áudio que circula no WhatsApp e nas redes sociais, homem que se identifica como candidato a prefeito no interior de São Paulo diz que a vacina contra o coronavírus tem como intenção reduzir a população mundial, além de provocar câncer, alterações genéticas, problemas de fertilidade e “homossexualismo”. Ele afirma, ainda, que a covid-19 não provocou nenhuma morte.

É falso que a vacina que está sendo desenvolvida contra a covid-19 seja capaz de provocar câncer, alterações genéticas, problemas de fertilidade e “homossexualismo”, ou que o imunizante tenha como intenção reduzir a população mundial e matar seres humanos. As alegações estão em um áudio que circula pelo WhatsApp e nas redes sociais.

Ao contrário do que afirma o autor do conteúdo, as vacinas protegem milhões de pessoas em todo o mundo contra doenças graves, e os imunizantes que estão em desenvolvimento contra o novo coronavírus estão sendo testados em conjunto por laboratórios e instituições de pesquisa de várias partes do mundo, com o aval de órgãos regulatórios de diferentes países.

A CoronaVac, citada no áudio investigado, é produzida pelo laboratório Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan e possui o aval da Anvisa para testes no Brasil. Segundo a professora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre e membro da Sociedade Brasileira de Imunologia, Cristina Bonorino, as afirmações de que a vacina seria capaz de provocar mudanças de gênero e sexualidade são “completamente mentirosas”, e o imunizante do laboratório chinês não é capaz de provocar qualquer alteração genética. A especialista também descarta a relação entre a vacinação e a ocorrência de câncer.

O áudio ainda compara a covid-19 a um resfriado, e diz que ninguém morreu por causa da ação da doença – o que não é verdade. Mais de um milhão de mortes causadas pelo novo coronavírus já foram registradas no mundo, segundo a OMS e a Universidade Johns Hopkins.

O Comprova entrou em contato com o suposto autor do áudio, pedindo esclarecimentos e provas sobre o que ele alega no material, mas, até a publicação desta checagem, não obteve resposta.

Como verificamos?
Para checar as informações do áudio, consultamos os sites oficiais da Organização Mundial da Saúde, do laboratório chinês Sinovac Biotech e do Instituto Butantan, nos quais encontramos dados sobre as orientações da OMS para os países durante a pandemia e sobre as vacinas que estão em desenvolvimento contra o novo coronavírus, principalmente a CoronaVac.

No site do sistema InfoGripe, da Fiocruz, encontramos os dados sobre os casos e mortes relacionados aos vírus Influenza e SARS-CoV-2 no Brasil, e no portal Our World in Data, da Universidade de Oxford, buscamos informações sobre o tempo de desenvolvimento de vacinas contra outras doenças.

O Comprova entrevistou, por telefone, a professora titular da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e membro do comitê científico da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI), Cristina Bonorino, que esclareceu pontos sobre os possíveis efeitos causados por uma vacina.

Também acessamos reportagens e entrevistas publicadas por diversos veículos sobre a pandemia, as vacinas e o pai do governador de São Paulo, João Doria, mencionado no áudio.

O autor do material verificado se identifica como Dr. Marcelo Frazão. Entramos em contato com o engenheiro Marcelo Frazão de Almeida (que se identifica como Dr. Marcelo Frazão nas redes sociais) por e-mail, mas ele não nos respondeu até a publicação deste texto. Para confirmar a autoria, usamos o programa de edição de áudio WavePad, para comparar trechos do material com a fala de Frazão em vídeos no canal dele no YouTube. Também consultamos outras postagens feitas por ele em suas páginas e perfis no Facebook.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 29 de outubro de 2020.

Verificação
Vacina não vai diminuir a população mundial

A vacina a que o áudio se refere está sendo produzida pelo laboratório Sinovac Biotech, uma companhia biofarmacêutica baseada na China, mas de capital aberto em bolsas de valores. Segundo o site da empresa, a missão é “fornecer vacinas para eliminar doenças humanas”. Até hoje, a empresa já comercializou cinco vacinas diferentes: contra hepatite A, hepatite A e B, gripe sazonal, gripe H5N1 e gripe H1N1.

O desenvolvimento da vacina apelidada de CoronaVac está sendo realizado pelo laboratório desde o início do ano – em abril, a Sinovac anunciou a autorização para realizar testes em humanos, que faz parte das fases usuais de criação de qualquer imunizante.

Em junho, a empresa anunciou uma parceria com o Instituto Butantan para a realização de ensaios clínicos no Brasil, durante a fase 3 de testagem do imunizante. Como contrapartida, a empresa afirmou que, por meio dos acordos, o Instituto Butantan poderia “garantir que a população brasileira tivesse acesso a essa vacina”.

O funcionamento das vacinas
O corpo humano tem um sistema imunológico capaz de identificar células estranhas, reagindo a fungos, bactérias, vírus e parasitas. A resposta biológica e natural é um processo inflamatório que desencadeia uma série de reações às doenças existentes. Por isso, as vacinas são meios eficazes, pois aumentam a imunidade adquirida e evitam o contato com a doença. Além disso, a alta cobertura vacinal protege aqueles que não podem se vacinar, como pessoas mais velhas e com doenças pré-existentes, por cessar ou diminuir drasticamente a circulação de microorganismos. Atualmente, as vacinas protegem milhões de pessoas em todo mundo.

Segundo estimativa da Organização Mundial de Saúde, o número de vidas salvas pelas vacinas é de 2 a 3 milhões por ano – o número é considerado muito baixo por especialistas, por conta da dificuldade de estimar um mundo sem vacinas. Um exemplo é a varíola, que foi erradicada pela ampla vacinação, mas no século XIX e XX matou milhões de pessoas. A partir daí e de várias tecnologias que foram surgindo, as vacinas vêm sendo estudadas para a defesa de agentes infecciosos.

No áudio, o autor questiona a segurança da CoronaVac, dizendo que “leva em torno de 15 anos para uma vacina ser produzida”. O desenvolvimento de tecnologias e a realização de estudos científicos sobre as vacinas, ao longo dos anos, foram surgindo em um intervalo de tempo, entre a descoberta do patógeno e vacina, muito menor.

O gráfico abaixo foi retirado do site ourworldindata.org e mostra uma linha do tempo do desenvolvimento de vacinas. A contagem inicia no ano em que o agente patogênico foi associado à doença e termina no ano em que a vacinação contra esse patógeno foi certificada nos Estados Unidos.

No áudio, o homem que se identifica como Dr. Marcelo Frazão ainda afirma que “qualquer um que toma essa vacina hoje está servindo de cobaia”, mas, no Brasil, a aplicação das doses é feita em milhares de voluntários que se dispuseram a participar da fase 3 de testagem do imunizante, que avalia a eficácia dele. Até agora, aliás, os testes indicam que a vacina é a mais segura contra a covid-19, por não ter causado efeitos colaterais graves. Ainda assim, a vacina ainda não está sendo aplicada fora do contexto controlado dos testes, e só será aplicada na população se for aprovada pela Anvisa.

Alterações no organismo
No áudio, Frazão afirma que a vacina vai alterar o código genético de quem a tomar e de seus descendentes. “Vocês vão causar síndromes perigosas que vão destruir os seus filhos e netos, inclusive no sentido de fertilidade e de homossexualismo”, diz ele – usando o termo homossexualismo, que é relativo a doença e não é usado há 30 anos, quando passou-se a utilizar o termo “homossexualidade” (com o sufixo que significa comportamento).

De acordo com Cristina Bonorino, professora da UFCSPA e membro da Sociedade Brasileira de Imunologia, as afirmações do no áudio são mentirosas e perigosas. “Para alterar o código genético, você precisa de algo que se insira no seu DNA, e a gente sabe que as vacinas não vão fazer isso”, diz. Especificamente sobre a Coronavac, citada no áudio, Cristina afirma que ela usa o vírus inativado, ou seja, “não tem possibilidade nenhuma de alterar o código genético”.

Questionada sobre a afirmação de Frazão, de que “menino vai deixar de ser menino e virar menina”, a especialista respondeu: “Bom, hoje em dia o pessoal fala que a Terra é plana, né? Mesmo com evidências de que não é. Então, isso fica muito difícil de rebater… É uma afirmação completamente mentirosa”.

Sobre a questão da fertilidade e do câncer, ela comentou que não há estudo que confirme o que Frazão diz e que, se fosse verdade, haveria muito mais gente com câncer e as mulheres não estariam tendo filhos. Ela explicou que os efeitos das vacinas, inclusive as que estão há décadas no calendário, na população são constantemente acompanhados por cientistas. “A gente faz estudos, busca efeitos, ajusta imunizações a partir do que é detectado. É muito perigoso uma pessoa sair por aí fazendo esse tipo de declaração.”

Mortes por gripe
No áudio, o autor diz que “não é vírus que mata ninguém, nunca ninguém morreu nesse mundo por causa de um resfriado e ninguém morre de resfriado nesse mundo”.

A gripe e o resfriado são doenças respiratórias – assim como a covid-19 – causadas por vírus distintos. O resfriado comum é causado pelos rinovírus, pelo vírus parainfluenza e pelo vírus sincicial respiratório, segundo o Ministério da Saúde, e costuma provocar sintomas mais brandos, que se manifestam por menos tempo. A gripe, por outro lado, é provocada pelo vírus Influenza (dos tipos A, B ou C), e pode provocar pneumonia, em caso de agravamento dos sintomas.

Não há dados sobre o número de mortes causadas por resfriados, apesar de especialistas alertarem que é possível que ocorram óbitos de pessoas mais fragilizadas. A gripe, porém, que vem sendo comparada ao novo coronavírus desde o início da pandemia, provoca a morte de 250 mil a meio milhão de pessoas por ano, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde, braço da OMS nas Américas.

No Brasil, a Fiocruz é o órgão responsável por compilar os dados sobre gripe e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), e, segundo o boletim epidemiológico com informações até o dia 17 de outubro, o Brasil registrou pelo menos 187 mortes por Influenza neste ano.

O novo coronavírus, porém, não é uma gripe, ao contrário do que sugere o áudio que viralizou. A doença respiratória pode provocar uma ampla gama de sintomas, que vão desde aqueles similares aos de um resfriado até falta de ar, além de sequelas graves que ainda estão sendo estudadas pela comunidade científica. Só no Brasil, até o dia 28 de outubro, a doença provocou 158.456 mortes, segundo o Ministério da Saúde. No mundo, o levantamento realizado pela Universidade Johns Hopkins aponta 1.164.047 mortes, até a mesma data.

A OMS e a pandemia
No áudio, o homem que seria Marcelo Frazão afirma, também, que “a Organização Mundial da Saúde está repetindo tudo que o presidente Bolsonaro falou lá no início, que essa porcaria desse resfriado não mata ninguém, que o que mata é esse controle populacional, desemprego, fome, miséria”. Isso não é verdade. Além do novo coronavírus não ser uma doença respiratória comparável a um resfriado, como já pontuado, a OMS nunca disse que o vírus não é letal. Ao contrário: a instituição vem empenhando esforços, desde março, para orientar governos e pessoas para as melhores práticas para o combate à doença. No site da OMS é possível encontrar boletins epidemiológicos atualizados semanalmente, com os dados sobre casos de covid-19 e mortes provocadas pela doença em todo o mundo. No material publicado em 27 de outubro, com dados até o dia 25, o órgão internacional contabilizava mais de um milhão e cem mil mortes pela doença.

Projeto Comprova, além disso, já esclareceu que a OMS reconhece os impactos sociais e econômicos negativos causados por medidas como o lockdown, mas que fala de um enviado especial do órgão estava sendo tirada de contexto, nas redes sociais, para sugerir que a entidade condena esse tipo de abordagem durante a pandemia.

Doria pai terrorista?
Ao se referir a João Doria, governador de São Paulo, Frazão diz que ele é “filho de um terrorista comunista que foi expulso do país porque era um terrorista comunista”. João Agripino da Costa Doria nunca teve relação com o terrorismo.

Antes de se tornar político, ele foi um publicitário de sucesso, criador do Dia dos Namorados no Brasil. De acordo com reportagem da Folha de S.Paulo, ele se tornou suplente de deputado federal pelo Partido Democrata Cristão da Bahia em 1962 e assumiu o mandato meses depois. Antiimperialista, defendia o então presidente João Goulart e foi um dos primeiros deputados cassados após o golpe de 1964. Sem direitos políticos, optou por seguir para o exílio em Paris, onde se graduou em psicologia.

Dez anos depois, João Doria pai retornou ao Brasil. Morreu em 2000, aos 81 anos.

Marcelo Frazão
No início do áudio, o homem se identifica como “Doutor Marcelo Frazão”, e se dirige à população de São Simão, no interior de São Paulo.

O Comprova procurou Frazão por e-mail, pelo endereço fornecido por ele no Linkedin, mas não obteve retorno até a publicação desta verificação. Sem a resposta direta dele sobre a autoria do áudio, buscamos outros elementos que pudessem nos confirmar que quem fala realmente é Marcelo Frazão.

Analisamos, pela ferramenta WavePad, de edição de áudio, o formato das ondas sonoras correspondentes ao trecho em que ele diz “Doutor Marcelo Frazão”, e comparamos com um trecho em que ele diz a mesma coisa, retirado de um vídeo de apresentação no canal dele no YouTube, o Direita TV News. Nessa primeira observação, não há grandes diferenças de entonação.

Em uma segunda análise, comparamos o sotaque das pessoas que falam em cada trecho, e há compatibilidade entre o áudio e o que é dito no vídeo. Na voz, em si, porém, há diferenças, que podem ser explicadas pela distância da boca para o microfone, da diferença dos equipamentos usados na captura do vídeo e do áudio e mesmo do momento em que cada um foi gravado.

Em um terceiro momento, verificando as redes sociais de Frazão, encontramos outras postagens, principalmente no Facebook, em que ele repete parte das afirmações do áudio, dizendo que “A VACHINA provoca mudanças genéticas gravíssimas, câncer, lesões cerebrais, síndromes graves e mudanças ligadas a [sic] sexualidade.” Em uma das várias páginas mantidas por ele no Facebook, o áudio foi repostado.

Esses elementos já seriam suficientes para atribuir a ele o material, mas, além de tudo isso, Frazão confirmou ao portal Aos Fatos que o áudio é de sua autoria.

Marcelo Frazão de Almeida é um engenheiro agrônomo (segundo a página dele no Linkedin) de São Simão, no interior de São Paulo. Também no Linkedin, ele afirma ainda ser “analista de sistemas, economista, ex-professor universitário de teoria econômica, ética e sociedade, político e escritor”, além de “palestrante de política econômica e sociedade”. Não há registro de currículo de Frazão na plataforma Lattes, e ele não especifica a que instituição já esteve vinculado.

Neste ano, Frazão concorre ao cargo de prefeito de São Simão, pelo Patriota. Até agora, segundo o portal de divulgação de candidaturas e de contas eleitorais do TSE, o Dr. Frazão, como se identifica na campanha, arrecadou R$ 6.720 para a campanha, sendo que 90% desse total (R$ 6.050) foi doado pela esposa dele, Vanessa Cristiane Morgan Frazão, que é candidata a vereadora pelo mesmo partido. Ela recebeu R$ 650 para a campanha, doados por Marcelo.

Em suas várias páginas no Facebook, Marcelo Frazão acumula fotos com figuras que são ou já foram de destaque no meio bolsonarista, como a deputada Carla Zambelli, Rogéria Bolsonaro, primeira esposa do presidente, o blogueiro Allan dos Santos e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Por que investigamos?
Nesta terceira fase, o Comprova verifica conteúdos relacionados às políticas públicas do governo federal e à pandemia. Em um ano eleitoral em que as disputas políticas estão acirradas, a covid-19 virou tema de debates em todos os campos e a desinformação que circula nas redes sociais pode custar vidas.

Confirmar informações sobre a ciência, sobretudo os estudos de vacina, pode aumentar a confiança das pessoas nas pesquisas científicas. Por isso, o áudio, que tenta desacreditar os imunizantes, foi verificado. Publicado em 20 de outubro na página de Facebook de Marcelo Frazão, ele 113 compartilhamentos e também está circulando no WhatsApp.

O Comprova já checou outros conteúdos que distorciam fatos para minimizar a importância das vacinas, como o post fazendo uma comparação forçada delas com a cloroquina, o vídeo de um médico dizendo que os imunizantes não passaram pela fase pré-clínica e o tuíte que sugeria que elas são desnecessárias.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

*Esta checagem foi postada originalmente pelo Projeto Comprova, uma coalizão formada por 28 veículos de mídia, incluindo o CORREIO, a fim de identificar e enfraquecer as sofisticadas técnicas de manipulação e disseminação de conteúdo enganoso que surgem em sites, aplicativos de mensagens e redes sociais. Esta investigação foi conduzida por jornalistas da BandNews FM, Folha e Rádio Noroeste, e validada, através do processo de crosscheck, por oito veículos: Gaúcha ZH, Niara, CORREIO, A Gazeta, Bereia, Estadão, piauí e NSC.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas