Nelson Pretto: Ufba em diálogo com a sociedade

artigo
26.04.2014, 07:25:00

Nelson Pretto: Ufba em diálogo com a sociedade


O Correio oferece acesso livre a todas as notícias relacionadas ao coronavírus. Entendemos que informação séria e confiável é importante nesse momento. Colabore para que isso continue. Assine o Correio.


A nossa Universidade Federal da Bahia, criada em 1946 por Edgard Santos, reitor magnífico que comandou a universidade a ferro e fogo durante 16 anos, foi, nos seus primeiros anos, uma instituição jovem e revolucionária. Risério, em seu livro sobre Edgard Santos, afirma que a Bahia, com ele, foi reinventada. E foi.

No auge de sua juventude, a Ufba abrigou e provocou a cidade. Nela se inseria, e a cidade dentro da universidade vivia. Vivia plenamente. Eram tempos onde tínhamos mais tempo, obviamente. Mas não era só isso. A Ufba conseguiu, na sua infância e juventude, ver a cultura como mola propulsora das artes, da saúde, da pesquisa e do desenvolvimento científico e tecnológico. Aquela era uma Ufba revolucionária, todos dizem.

Naquele período, foram criadas as escolas de Teatro, Dança, os Seminários Livres de Música - embrião da Escola de Música -, a Orquestra Sinfônica e o Madrigal. Ao mesmo tempo, implantava-se a Escola de Geologia, depois o Instituto de Química, a Escola Politécnica e tudo mais que fez da universidade, na década de 50 do século passado, uma universidade que se expandia e com a cidade interagia.

Sem saudosismo, ou apesar dele, precisamos aprender com esse passado, para poder viver com dignidade o presente e construir um alvissareiro futuro.

Há bastante tempo, a Ufba vem abdicando do seu protagonismo político e cultural no debate da cidade, do estado e do país. Como é de se esperar, as universidades devem estar voltadas para os interesses e necessidades da sociedade, e esta deve poder reconhecer a sua importância, entranhando-se nas definições das suas linhas de atuação.

Todavia, apesar de seus inúmeros projetos vitoriosos de extensão e de pesquisa, que alcançam um sem número de pessoas em seu entorno, nas comunidades, nos escritórios, nos atendimentos de saúde, só para ficar em parcos exemplos, a comunidade organizada ou não nas cidades não reconhece – às vezes sequer conhece – a mais antiga e, por isso mesmo, uma das suas mais importantes universidades federais. Quanto mais pobres e afastadas dos centros de decisão menos pertencimento tais comunidades têm com a Ufba. E a Ufba com elas.

Com as importantes e estruturantes ações afirmativas e a expansão da Universidade, camadas da população passaram a conhecer e pertencer à comunidade universitária. Vivemos um momento histórico de entrada de novos atores no ambiente restrito do ensino universitário. Mas a impressão é a de que ela ainda é um clube fechado, só que agora com mais sócios.

Afinal, o que é mesmo “a Ufba”? Qual a sua função pública? Qual seu papel na discussão dos problemas inúmeros das cidades e de suas populações? Por que ela, enquanto instituição, afastou-se da cidade e do estado?

Essas perguntas ganham uma amplitude ainda maior neste momento em que se aproxima a eleição para a sua reitoria em maio próximo. É hora de a comunidade inserir um novo modelo de troca de suas aspirações e necessidades com a Universidade que, não obstante a sua tradição, há que se reinventar a cada dia.

Seguramente, este é um dos nossos maiores desafios, e não pode ser enfrentado apenas pela comunidade intramuros. O convite está feito. A Ufba está em nossas mãos.

* Nelson Pretto  é professor da Faculdade de Educação da Ufba

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cronista-da-velha-sao-salvador-riachao-imprimiu-marca-pessoal-no-samba/
Cantor e compositor morreu na madrugada de segunda-feira (30), aos 98 anos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/com-musica-dedicada-a-babu-baco-exu-do-blues-lanca-novo-album/
Com 9 músicas, incluindo faixas com críticas a Bolsonaro, EP foi disponibilizado nesta segunda-feira (30)
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/itau-cultural-lanca-webserie-gratuita-sobre-preconceito-violencia-e-desigualdade/
Nos primeiros episódios, Novo Mundo traz depoimentos de pastores evangélicos e é opção de reflexão nos dias de quarentena
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/salvador-unida-das-janelas-moradores-cantam-parabens-para-salvador/
O CORREIO convidou e soteropolitanos confinados aderiram ao aniversário coletivo de 471 anos da capital
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/gusttavo-lima-quebra-recorde-do-youtube-com-live-direto-de-sua-casa/
Foram 5h de show, 750 mil acessos simultâneos e 10 milhões de visualizações
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/coronavirus-sindico-instala-pia-na-entrada-de-predio-para-ajudar-vizinhos-idosos/
Espanhol radicado na Bahia decidiu ajudar na higiene no prédio que é síndico em Salvador
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/a-fe-nao-costuma-faia-como-manter-a-religiao-em-isolamento/
O amparo na religiosidade é a salvação para muitos soteropolitanos; tecnologia é aliada
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/janelas-da-quarentena-do-dj-ao-saxofone-vizinhos-transformam-isolamento-em-uniao/
Baiano é outro nível... Nos últimos dias, movimento tomou conta de Salvador: tem até Carnaval dentro de casa; confira
Ler Mais