Neto Baiano acena para tricolores, Jackson se irrita e Ba-Vi tem confusão

ba-vi
10.03.2019, 18:42:00
Atualizado: 10.03.2019, 19:25:50
(Maurícia da Matta/EC Vitória)

Neto Baiano acena para tricolores, Jackson se irrita e Ba-Vi tem confusão

Neto Baiano e Jackson se estranharam no acesso aos vestiários

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O empate em 0x0 no primeiro clássico do Ba-Vi do Campeonato Baiano, pela primeira fase, não foi bom para ninguém. Ruim para o Bahia, que têm sofrido com a cobrança do torcedor, insatisfeito com o desempenho apresentado, e péssimo para o Vitória, que completou sete jogos sem vencer e vive um clima tenso com os rubro-negros.

Apesar disso tudo, o atacante Neto Baiano não quis perder a chance de provocar, como de costume. Ao deixar o gramado, ele acenou para a torcida do Bahia e deixou o zagueiro Jackson irritado. Antes de entrar para os vestiários, o jogador brincou:

“Ruim, resultado ruim para a gente. Tinha que ter ganhado do Jahia”, provocou, utilizando um apelido pejorativo ao adversário.

Apesar da provocação, o atleta garante que, ao acenar para os tricolores, não teve intenção de provocar ninguém. "Não provoquei. Eu tenho  mais amigo que torce para o Bahia, do que torcedor do Vitória. Eu dei tchau porque tem amigos meus ali. Mas é assim mesmo. Ele quem arrumou confusão comigo. Se eu perdesse o jogo estaria de boa, brincando do mesmo jeito. Infelizmente futebol é assim, tudo é confusão, briga. Eu não aceito desaforo nem do meu pai, vou aceitar de Jackson? Pelo amor de Deus, né?", disse ao CORREIO.

Irritado com a situação, Jackson desabafou e pediu que Neto Baiano respeitasse o torcedor do Bahia. “Eles têm que respeitar nosso torcedor. Fizeram bom jogo? Ok, mas respeita nosso torcedor”, reclamou.

A confusão não se limitou ao campo e seguiu para as escadas que dão acesso à zona mista, com troca intensa de xingamentos entre atletas tricolores e rubro-negros. Apesar dos ânimos exaltados, não houve agressão física entre os jogadores.

Membros das comissões técnicas de ambas as equipes interferiram e conseguiram dar um ponto final à confusão. Depois, cada um seguiu para o seu vestiário.

* Com informações dos repórteres Vitor Villar e Gabriel Rodrigues

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas