“Nunca pensei em desistir”, diz a primeira Relações Públicas com Down do Brasil

educamais
11.09.2019, 15:16:00
Atualizado: 11.09.2019, 15:31:24

“Nunca pensei em desistir”, diz a primeira Relações Públicas com Down do Brasil

História de Luísa Camargos vai ser contada em documentário

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O incentivo à educação é capaz de fazer a diferença na vida das pessoas e, somado à determinação é, então, uma poderosa ferramenta transformadora. Quem soube aproveitar bem os estudos foi a mineira Luísa Camargos, 25, que não deixou as limitações do dia a dia virarem barreira na sua vida. Ela foi além e tornou-se a primeira pessoa com síndrome de Down a formar-se em Relações Públicas no Brasil, conforme atesta o Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas de Minas Gerais.

“A Luísa quer abrir portas. A missão dela aqui na Terra é muito bonita. Ela veio com Down pra se superar e incentivar outras pessoas”, relata, emocionada, a irmã mais velha, Alice Carmagos. O objetivo de Luísa vai além do âmbito profissional que a graduação lhe proporcionou. Apesar de ainda não estar empregada formalmente na área, ela dá palestras e conta com a sua superação para estimular outras famílias a acreditarem nas pessoas com síndrome de Down.

Luísa Camargos é a primeira pessoa com síndrome de Down a formar-se em Relações Públicas no Brasil (Foto: Acervo pessoal)

Dona de um entusiasmo e força de vontade notáveis, Luísa está determinada a incentivar outras pessoas com deficiências a lutar pelos seus sonhos. Para isso, ela usa o seu perfil no Instagram @lusrcamargos como espaço de motivação.

“Sempre batalhei”
Em junho deste ano, Luísa concluiu os estudos e defendeu o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) “Comunicação nas Organizações”, que abordou a comunicação interna e externa nas organizações do 3º setor. “Nunca pensei em desistir. Sempre batalhei e minha família foi meu porto seguro”, conta a mineira, alegre, ao relembrar os momentos difíceis na rotina que vivenciou para conciliar terapias e faculdade, atividades que ela fazia nos três turnos do dia. A sua colação de grau foi no dia 13 de agosto, momento em que a família se reuniu para celebrar a conquista da jovem.

Luísa colocou grau em agosto deste ano (Foto: Acervo pessoal)

Documentário
A superação de Luísa vai ser contada por meio de um minidocumentário que já está em produção em Minas Gerais. O material deve ser disponibilizado em outubro deste ano, na internet e nas redes sociais. “É um documentário curto, mas emocionante. Ficou lindo! Quanto mais pessoas assistirem é melhor para a visibilidade da síndrome e para inspirar outras pessoas”, afirma, orgulhosa, a irmã Alice.

O trailer do minidocumentário pode ser visto aqui: https://www.instagram.com/p/B1tthPiHqDV/

Síndrome de Down
A Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down estima que, no Brasil, em um a cada 700 nascimentos ocorre o caso de trissomia 21, que totaliza, aproximadamente, 270 mil casos no país.

Conforme a entidade, a síndrome de Down não é uma doença. É uma condição genética gerada pela presença de uma terceira cópia do cromossomo 21 em todas as células do organismo (trissomia).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas