O futebol precisa ser mais popular

miro palma
27.09.2019, 09:24:26
Atualizado: 27.09.2019, 16:16:34

O futebol precisa ser mais popular


O Correio oferece acesso livre a todas as notícias relacionadas ao coronavírus. Entendemos que informação séria e confiável é importante nesse momento. Colabore para que isso continue. Assine o Correio.


Sabe quanto custa uma cesta básica aqui em Salvador? De acordo com dados do Dieese do mês passado, uma cesta básica por aqui custa em média R$ 372,11. Esse valor representa 37% de um salário mínimo vigente, que é de R$ 998. Ou seja, depois de gastar com itens básicos de alimentação e limpeza, uma pessoa ou uma família soteropolitana que vive com um salário mínimo fica com R$ 625,89 para cobrir todas as outras despesas. Agora imagine esse cidadão ou alguns integrantes dessa família na Arena Fonte Nova, na fila de um dos bares do estádio tendo que desembolsar R$ 8 para comprar uma latinha de cerveja.

Pois esse seria o preço proposto pelo consórcio que administra a Fonte Nova durante a negociação de renovação do contrato que oferece desconto de 50% na compra da bebida para sócios do Bahia. Como não houve um acordo, a vantagem do desconto para os associados deixou de valer desde o jogo de anteontem, entre Bahia e Botafogo. O preço, por sua vez, não aumentou e o consórcio negou que aplicaria o aumento. Mas, a essa altura, o boicote proposto pelo presidente tricolor, Guilherme Bellintani, já tinha ganhado repercussão entre os torcedores. Mais ainda depois que ele anunciou uma ação em parceria com uma cervejaria rival à que patrocina a arena, que garantiu cervejas a R$ 1 em um depósito no entorno do estádio.

O resultado: de um lado, os bares vazios dentro da Fonte Nova e, do outro, torcedores felizes e bastante hidratados. Não é de hoje que quem frequenta a Arena reclama dos altos preços dos alimentos e bebidas comercializados no local. O estádio é de Copa do Mundo, mas o dia a dia dele é de Campeonatos Brasileiros, Copas do Brasil, do Nordeste, Campeonatos Baianos, etc. O público que foi ao jogos da Copa do Mundo, da Olimpíada ou da Copa América não está lá todo final de semana. Mas o consórcio que administra a Fonte Nova parece que não se atentou pra isso.

Com os mesmos R$ 8 que seriam gastos em 350 ml de cerveja, é possível comprar um frango inteiro congelado ou quase 1 kg de fígado bovino. Dá também pra comprar 500 g de pão de forma e mais um litro de leite. Ou 1 kg de arroz e um 1 kg de feijão, e ainda sobrar troco. Será que nenhum dos responsáveis pela precificação dos alimentos e bebidas da Fonte Nova vai ao mercado? Será que nenhum deles sabe quanto custa para um torcedor baiano bancar o seu momento de lazer no estádio?

E não me venham com esse discurso de que é o que se cobra em outros estádios, que esse é o preço de mercado. Aqui na Bahia, a renda domiciliar per capita média é de R$ 841. O dado é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado esse ano, mas referente ao ano de 2018. É a quinta renda domiciliar per capita mais baixa do país. Só fica atrás do Piauí, Amazonas, Alagoas e Maranhão. Na outra ponta estão Distrito Federal (R$ 2.460), São Paulo (R$ 1.898), Rio Grande do Sul (R$ 1.705), Santa Catarina (R$ 1.660) e Paraná (R$ 1.607), com as maiores rendas. Nós não vivemos os mesmos mercados.

Já era hora de demonstrarmos essa insatisfação. E já passou da hora de discutirmos essa prática de preços que é totalmente descolada da realidade baiana. Quer queiram, quer não, são os baianos comuns e das mais variadas classes sociais que lotam a Fonte Nova, seja para ver os jogos do Bahia ou do Vitória, e é para eles que o estádio deveria ser feito.

Miro Palma é subeditor de Esporte e escreve às sextas-feiras

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cronista-da-velha-sao-salvador-riachao-imprimiu-marca-pessoal-no-samba/
Cantor e compositor morreu na madrugada de segunda-feira (30), aos 98 anos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/com-musica-dedicada-a-babu-baco-exu-do-blues-lanca-novo-album/
Com 9 músicas, incluindo faixas com críticas a Bolsonaro, EP foi disponibilizado nesta segunda-feira (30)
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/itau-cultural-lanca-webserie-gratuita-sobre-preconceito-violencia-e-desigualdade/
Nos primeiros episódios, Novo Mundo traz depoimentos de pastores evangélicos e é opção de reflexão nos dias de quarentena
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/salvador-unida-das-janelas-moradores-cantam-parabens-para-salvador/
O CORREIO convidou e soteropolitanos confinados aderiram ao aniversário coletivo de 471 anos da capital
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/gusttavo-lima-quebra-recorde-do-youtube-com-live-direto-de-sua-casa/
Foram 5h de show, 750 mil acessos simultâneos e 10 milhões de visualizações
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/coronavirus-sindico-instala-pia-na-entrada-de-predio-para-ajudar-vizinhos-idosos/
Espanhol radicado na Bahia decidiu ajudar na higiene no prédio que é síndico em Salvador
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/a-fe-nao-costuma-faia-como-manter-a-religiao-em-isolamento/
O amparo na religiosidade é a salvação para muitos soteropolitanos; tecnologia é aliada
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/janelas-da-quarentena-do-dj-ao-saxofone-vizinhos-transformam-isolamento-em-uniao/
Baiano é outro nível... Nos últimos dias, movimento tomou conta de Salvador: tem até Carnaval dentro de casa; confira
Ler Mais