O Matador, da Netflix, está em Gramado, que começa nesta quinta (17)

variedades
17.08.2017, 18:00:00
Diogo Morgado é Cabeleira em O Matador (divulgação)

O Matador, da Netflix, está em Gramado, que começa nesta quinta (17)

Produção do serviço de streaming está na mostra competitiva. Festival começa com João, o Maestro, hors-concours

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Talvez o Festival de Gramado, que começa nesta quinta-feira (17) não tenha o mesmo glamour de Cannes nem os filmes do festival brasileiro tenham a mesma qualidade da premiação francesa.

Mas, neste ano, os dois estão envolvidos numa polêmica bem parecida: filmes produzidos para serviços de streaming podem concorrer igualmente com aqueles produzidos para o cinema?

Se na França, o objetivo das discussões foi o sul-coreano Okja, aqui, a obra em questão é O Matador, faroeste passado em Pernambuco, dirigido pelo carioca Marcelo Galvão. Tanto Okja quanto O Matador foram produzidos pela Netflix e ambos foram lançados diretamente no serviço de streaming. A produção sul-coreana concorreu à Palma de Ouro em Cannes e está na mostra competitiva em Gramado.

Rubens Ewald Filho, um dos curadores do festival brasileiro, não vê motivo para o imbróglio e defende a inclusão do filme entre os indicados: "Não concordei (com a polêmica). Achei uma coisa velha, antiga, como, aliás, acho que o Festival de Cannes virou. O resultado do festival demonstra isso: deram o prêmio de direção para Sofia Coppola, por O Estranho que Nós Amamos, que, por sinal, é muito ruim".

Competitiva em Gramado

O primeiro dia terá a mostra das produções audiovisuais realizadas por alunos da rede pública de Gramado, através do projeto Educavídeo. A competição oficial começa na sexta (16), logo após a exibição hors-concours do longa convidado João, o Maestro, de Mauro Lima.

Filmes brasileiros concorrem em uma categoria à parte, separados dos estrangeiros, que integram a competitiva latino-americana.
Entre os nacionais, destacam-se, além de O Matador, Como Nossos Pais, de Laís Bodanzky (Bicho de Sete Cabeças) e A Fera na Selva, trabalho conjunto de Paulo Betti, Eliane Giardini e Lauro Escorel. O longa de Bodanzky foi muito elogiado no Festival de Berlim.

Veja abaixo a relação completa dos indicados:

Longas nacionais

A Fera na Selva (RJ), de Paulo Betti, Eliane Giardini e Lauro Escorel
As Duas Irenes (SP/GO), de Fábio Meira
Bio (RS), de Carlos Gerbase
Como Nossos Pais (SP), de Laís Bodanzky
O Matador (PE), de Marcelo Galvão
Pela Janela (Brasil/Argentina), de Caroline Leone
Vergel (Brasil/Argentina), de Kris Niklison

Longas estrangeiros

Los Niños (Chile/Colômbia/Holanda/França), de Maite Alberdi
Pinamar (Argentina), de Federico Godfrid
El Sereno (Uruguai), de Oscar Estévez & Joaquín Mauad
Sinfonía para Ana (Argentina), de Virna Molina e Ernesto Ardito
La Ultima Tarde (Peru), de Joel Calero
X500 (Colômbia/Canadá/México), de Juan Andrés Arango
Mirando al Cielo (Uruguai), de Guzmán García

Veja o trailer de O Matador

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas