O papel da família nas atividades de aprendizagem remota durante a pandemia

artigo
14.08.2020, 12:08:07

O papel da família nas atividades de aprendizagem remota durante a pandemia


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Entre as justificativas para a decisão do Google, na California, em manter seus 200 mil colaboradores em home office até julho de 2021 está a de permitir que pais pudessem acompanhar mais de perto a educação dos filhos. Nos Estados Unidos, assim como no Brasil, ainda não há uma definição clara de quando as escolas poderão retomar com segurança as atividades presenciais.

O fato inusitado neste anúncio é o reconhecimento da importância da participação da família na educação de crianças e jovens. Pesquisas há muito demonstram que a participação dos pais é fator determinante para o sucesso da educação escolar de seus filhos. O que não está muito claro é a forma desta participação.

Desde março, quando escolas brasileiras foram fechadas como medida de isolamento social, foram implementadas estratégias de ensino remoto que têm trazido grandes desafios para professores, mas também para as famílias. Nas redes sociais multiplicam-se os relatos tragicômicos de pais tentando conciliar as atividades profissionais, as tarefas domésticas e o auxílio aos filhos para a realização de atividades escolares.

Para alguns pais a tarefa de fazer os filhos acessarem o conteúdo disponibilizado, prestarem atenção nas aulas online e executar as tarefas propostas pelos professores é desafiadora. Pior ainda quando são solicitados a esclarecer dúvidas sobre conteúdos curriculares do quais não se lembram ou não aprenderam. Agravam-se assim os efeitos perversos das desigualdades de nível socioeconômico e grau de escolaridade entre pais de escolas públicas e privadas.

A boa notícia é que existem formas diferentes de os pais impactarem a educação escolar de crianças e adolescentes. Pesquisas, como por exemplo, da Dra. Catherine Snow, da Universidade Harvard, mostram que há formas diferentes, mas igualmente eficazes, da família exercer influência positiva na educação escolar de seus filhos.

As conclusões do livro da Dra. Snow, publicado há 25 anos, são muito similares ao resultado de um estudo recente da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que mostra que algumas atividades da família como ler juntos, conversar sobre temas atuais, acompanhar e se interessar pelas tarefas escolares podem ter impacto positivo tanto na aprendizagem acadêmica como no desenvolvimento socioemocional das crianças.

A mensagem mais importante para os pais neste momento é de alento! Organizem seu tempo para terem momentos do seu dia para conversarem e brincarem com seus filhos! Estabeleça os momentos de trabalho e estudo para todos da casa (reponsabilidade de cada um!) e os momentos de CONVIVER...essa palavra que merece ser ressignificada e valorizada mais do que nunca durante esta pandemia.

*Lucia Dellagnelo, doutora em Educação pela Universidade Harvard, é diretora-presidente do Centro de Inovação para Educação Brasileira (CIEB)
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas