'O perfil apontado pela média dos brasileiros não é o de Lula, nem o de Bolsonaro' 

bahia
01.09.2021, 05:00:00
ACM Neto falou para um público de 120 empresários reunidos no Amado (Paula Fróes/CORREIO)

'O perfil apontado pela média dos brasileiros não é o de Lula, nem o de Bolsonaro' 

ACM Neto, presidente do DEM e ex-prefeito de Salvador, falou sobre economia, política e eleições para empresários

O presidente nacional do DEM e ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, acredita ser possível para o Brasil superar a atual crise e crescer de maneira sólida e equilibrada. Para isso, será preciso muito trabalho e visão estratégica para reverter os efeitos da pandemia. Ainda na visão dele, o Nordeste e, sobretudo, a Bahia, tem potencial de serem protagonistas nessa retomada. Neto  falou para empresários de todo o país, durante um almoço promovido pelo Alô Alô Bahia para 120 convidados, no restaurante Amado, na Av. Contorno, nesta terça-feira (31).

Entre os temas abordados pelo democrata figuraram o cenário econômico e político para 2022. Segundo ACM Neto, política e economia são duas áreas diretamente relacionadas e o que acontece em um lado sempre tem efeito no outro. Com a pandemia e os diversos problemas econômicos que se agravaram no país, ele entende, por exemplo, que as pessoas ainda não estão pensando nas próximas eleições, mas focam na ‘dificuldade de colocar carne no prato, o medo do desemprego e a instabilidade da vida no país’.

"Ainda temos alguns longos meses pela frente. Esse tabuleiro ainda será muito mexido, não tenho dúvida. Quando você pergunta ao brasileiro qual o perfil desejado por ele para líder do país, de alguém que possa ser o próximo presidente da República, quando olhamos o pensamento da maioria dos brasileiros, definitivamente, esse perfil apontado pela média dos brasileiros não é o de Lula, nem o de Bolsonaro", afirmou. 

Apesar do momento polarizado, o presidente do DEM acredita que o Brasil tem a possibilidade de sair fortalecido da crise econômica, sanitária e política.  Especificamente sobre a Bahia, ACM Neto defende que é necessário aos homens e mulheres que atuam na vida pública ouvir e entender a capacidade de cada região do estado.

“Neste momento é mais importante ouvir do que falar. Olhar para o potencial da Bahia, o que ainda há de coisas a serem exploradas no interior, a vocação de cada região, a força que brota de cada região. Agora, é preciso ter plano para o futuro. Visão estratégica. Olhar de médio e longo prazo. E é preciso ter uma soma de esforços dos empresários, investidores, de quem move a economia e sustenta os empregos do país. Mais do que nunca, no horizonte de superação de pandemia, acredito que se essa for a tônica, temos a chance de sair mais fortes do que entramos", enfatizou.

A seguir, confira os principais tópicos da palestra de ACM Neto:

Bahia
"Também trago a mesma visão de otimismo para o plano da Bahia, onde, sem dúvida alguma, o nosso desafio, olhando para o futuro, é mudar o patamar econômico do nosso estado. Eu não sou daqueles que, por ser contra A ou B, por ser do partido tal e não do qual, fico criticando por criticar. Não, pelo contrário, acho que mais do que nunca precisamos ter uma visão propositiva. Mais do que nunca, precisamos ter os homens públicos, as mulheres que atuam na vida pública, com a capacidade de ouvir. Neste momento é mais importante ouvir do que falar. Quando a gente olha para o potencial da Bahia, o que ainda há de coisas a serem exploradas no interior da Bahia, a vocação de cada região, a força que brota de cada região. Agora, é preciso ter plano para o futuro. Visão estratégica. Olhar de médio e longo prazo".

Retomada
"Graças à atitude de todos nós, à responsabilidade, a posição solidária de muitos, conseguimos vencer aquele momento mais difícil e hoje conseguimos pensar em uma perspectiva de retomada. Claro que ainda não dá para pensar em voltar ao normal, como estávamos acostumados na pré-pandemia, mas, no entanto, aos poucos, vamos retomando o convívio social e este almoço é um exemplo disso"

Ameaças à democracia
"Não acredito em ruptura. Acho que temos instituições extremamente maduras, que passaram por vários testes desde 2014, na verdade desde a democratização.  Temos uma imprensa livre, mesmo quando a gente discorda do papel da imprensa. Temos uma base econômica extremamente diversificada no país. Então, não venham comparar o Brasil com a Venezuela ou qualquer outro país muito menos protegido e, portanto, mais vulnerável a atitudes golpistas ou tentativas de subversão constitucional".

Governo Federal
"O presidente, e disse isso a ele próprio, vive crises artificiais, que não precisavam existir. Mas o governo tem uma capacidade inesgotável de criar crises. Essa é a verdade. Na semana que apresentam a prorrogação do Bolsa Família, o tema discutido no Brasil é o voto impresso e o desfile de Tanques na Praça dos 3 Poderes. Ninguém tratou do Bolsa Família".

Aposta para 2022
"Toda vez que venho conversar com empresários, perguntam qual o cenário que se coloca para outubro de 2022. Primeiro, não tenho uma bola de cristal. É uma pergunta não de um milhão, mas de muitos milhões. Em agosto de 2017 ninguém imaginava que Bolsonaro seria presidente da República. E hoje estamos em agosto de 2021. Ou seja, nesse mesmo prazo de distância para a eleição, ninguém apostava que Bolsonaro seria presidente. A política tem dessas coisas"

Política e Economia
"O que chama a atenção no cenário econômico é, primeiro, a economia interferir na política e vice-versa. Hoje, a instabilidade econômica é tão grande quanto a política por essa relação direta e umbilical"

Lula x Bolsonaro
"Muitos se perguntam: ‘será que é isso mesmo? Digo que estamos em agosto de 2021, ainda temos longos meses pela frente, um fim de inverno, primavera, um outono, um outro inverno e o início de outra primavera. É muito tempo, onde vai acontecer muita coisa. Esse tabuleiro ainda será muito mexido, não tenho dúvida. Quando você pergunta ao brasileiro qual o perfil desejado por ele para líder do país, de alguém que possa ser o próximo presidente da República, quando olhamos o pensamento da maioria dos brasileiros, definitivamente, esse perfil apontado pela média dos brasileiros não é o de Lula, nem o de Bolsonaro". 

Esperança
"Apesar de tudo isso temos um país que é mais forte. Eu acredito na solidez das instituições, no poder transformador dos empresários de nosso país, acredito no senso crítico das pessoas que formam opinião em nosso país e acredito ainda mais que podemos ter, sim, um ambiente que, será de incerteza, turbulência e dúvida até a eleição, mas que pode ultrapassar a agenda de outubro de 2022 oferecendo uma perspectiva de país muito melhor"

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas