O VAR e a ruindade da arbitragem brasileira

ivan dias marques
20.08.2019, 05:00:00

O VAR e a ruindade da arbitragem brasileira


O Correio oferece acesso livre a todas as notícias relacionadas ao coronavírus. Entendemos que informação séria e confiável é importante nesse momento. Colabore para que isso continue. Assine o Correio.


Fim de mais uma rodada do Campeonato Brasileiro e, mais do que o desempenho dos times, a discussão que toma as mesas-redondas - ou não tão redondas assim - é o árbitro de vídeo. 

Mas, ao menos para mim, está cada dia mais claro que o problema não é o VAR, são os árbitros. A nova ferramenta apenas potencializou a qualidade ruim da arbitragem brasileira como um todo. 

Ainda que o VAR seja um instrumento novo, se há insegurança em relação à sua utilização ou dos próprios árbitros dentro de campo nas suas marcações, temos um problema inerente à categoria a má formação - e atualização.

Não há VAR que explique o pênalti marcado no final de Grêmio x Chapecoense, há algumas semanas. A ferramenta, como bem disse Herbem Gramacho nesse mesmo espaço há algumas semanas, virou uma muleta dos árbitros, da insegurança deles.

A penalidade na Arena do Grêmio acabou desmarcada em questão de segundos, mas transformou um jogo que, até então, não tinha preocupação com a arbitragem numa discussão desnecessária após a partida se encerrar.

No último domingo, foram três - ao menos - lances bem discutíveis. Na Fonte Nova, a expulsão de Moisés. No Morumbi, o pênalti cometido por Tiago Volpi. No Maracanã, o pênalti não-marcado em cima de Ganso. Três lances capitais, que mudaram o rumo de partidas longe de estarem decididas. 

Na Fonte Nova, o lance de Moisés parece uma tentativa de homicídio em câmera lenta. Na velocidade normal, o lateral tricolor perde o tempo do lance numa jogada em que o adversário toca de primeira. Ou seja, perfeitamente cabível que haja uma falta. O árbitro viu e deu amarelo, num julgamento de quem estava bem posicionado, de frente para o lance.

Após ser chamado, reviu a jogada e decidiu aplicar o cartão vermelho. Ora, o pessoal na salinha vai ficar procurando contato em todo tipo de disputa no futebol? Em câmera lenta, qualquer mão batendo no rosto vira agressão.

A expulsão de Moisés é possível. É questionável, também. Mas, mais questionável é o critério. Minutos depois, entrada semelhante do jogador do Goiás. Bola em disputa, toque rápido, sola na perna. As diferenças são sutis: um tornozelo por uma canela, um pé frouxo por um pé de apoio. No entanto, as características são iguais. Não há agressão, há disputa. Amarelo nas duas estava de bom tamanho.

O pênalti no Morumbi é um absurdo. Mais ainda não ter tido nem a revisão do VAR. Só nos resta achar que o CEP conta, afinal, quem é o Ceará perto do São Paulo? Dizer que um lance daquele é interpretativo é dizer que não há regra, pois se é necessário um julgamento subjetivo num lance desse porte, pode jogar o livro de regras no lixo.

No Maracanã, Ganso sofre a falta mas ‘valoriza’. Isso não deveria ser parâmetro para uma não-marcação. Mas, vocês sabem. Na câmera lenta, a projeção exagerada do corpo vira uma atuação digna de Oscar. Ou não.

Isso não me faz ser contra o VAR. Na medida que ele potencializa as arbitragens ruins, ele mostra o quanto todo o processo precisa ser feito melhor. Expõe a ferida. Que a CBF entenda também dessa forma.

Ivan Dias Marques é subeditor do CORREIO e escreve às terças-feiras

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cronista-da-velha-sao-salvador-riachao-imprimiu-marca-pessoal-no-samba/
Cantor e compositor morreu na madrugada de segunda-feira (30), aos 98 anos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/com-musica-dedicada-a-babu-baco-exu-do-blues-lanca-novo-album/
Com 9 músicas, incluindo faixas com críticas a Bolsonaro, EP foi disponibilizado nesta segunda-feira (30)
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/itau-cultural-lanca-webserie-gratuita-sobre-preconceito-violencia-e-desigualdade/
Nos primeiros episódios, Novo Mundo traz depoimentos de pastores evangélicos e é opção de reflexão nos dias de quarentena
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/salvador-unida-das-janelas-moradores-cantam-parabens-para-salvador/
O CORREIO convidou e soteropolitanos confinados aderiram ao aniversário coletivo de 471 anos da capital
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/gusttavo-lima-quebra-recorde-do-youtube-com-live-direto-de-sua-casa/
Foram 5h de show, 750 mil acessos simultâneos e 10 milhões de visualizações
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/coronavirus-sindico-instala-pia-na-entrada-de-predio-para-ajudar-vizinhos-idosos/
Espanhol radicado na Bahia decidiu ajudar na higiene no prédio que é síndico em Salvador
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/a-fe-nao-costuma-faia-como-manter-a-religiao-em-isolamento/
O amparo na religiosidade é a salvação para muitos soteropolitanos; tecnologia é aliada
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/janelas-da-quarentena-do-dj-ao-saxofone-vizinhos-transformam-isolamento-em-uniao/
Baiano é outro nível... Nos últimos dias, movimento tomou conta de Salvador: tem até Carnaval dentro de casa; confira
Ler Mais