Obras de arte inauguradas a menos de um mês são danificadas na Cidade Baixa

salvador
13.01.2021, 16:10:00
Atualizado: 13.01.2021, 16:12:00
(Divulgação)

Obras de arte inauguradas a menos de um mês são danificadas na Cidade Baixa

Obras foram feitas para o projeto “O Caminho da Fé”, pelo artista Juarez Paraíso

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Mais de 20 obras de arte criadas para o projeto “Caminho da Fé - Santa Dulce dos Pobres e Nosso Senhor do Bonfim” foram danificadas na Cidade Baixa, em Salvador.

O material, que tem autoria do artista plástico e professor da Universidade Federal da Bahia Juarez Paraíso, foi inaugurado a menos de um mês, através de uma ação promovida pela Fundação Mario Leal Ferreira e Fundação Gregório de Mattos.

As obras estavam instaladas no Dendezeiros, no bairro da Ribeira. A iniciativafoi criada para integrar a Basílica do Bonfim ao Santuário da Santa Dulce dos Pobres.

“Decorridos mais ou menos 15 dias, começaram a vandalizar os trabalhos. Hoje me avisaram que riscaram com prego todos os trabalhos referentes ao Senhor do Bonfim. Não obstante a importância do projeto, principalmente pelo significado dos homenageados, é fundamental a existência de proteção policial para a Obra de Arte Pública”, lamenta Paraíso.

Segundo ele, já foram vandalizadas obras de Juraci Dorea, Murilo Ribeiro, Márcia Magno, J. Cunha, Chico Mazzoni, Washington. Falcao, Edsoleda Santos, Paulo Rufino, Bel Borba, Fernando Freitas Pinto, Ray Viana, Guache Marques, Leonel Mattos e Sonia Rangel.

A ação de expor as obras de arte foi desenvolvida como complementação dos 28 totens concebidos no projeto arquitetônico pelo arquiteto Adriano Mascarenhas. Ao todo, são 14 obras em homenagem a Santa Dulce dos Pobres, de autoria de Paraíso, e 14 em homenagem ao Nosso Senhor do Bonfim, produzidas por 14 artistas convidados. Os trabalhos foram executados como desenhos gravados em chapa de aço, à semelhança da gravura em metal, da água forte. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas