Observatório da Discriminação do Futebol busca investimentos: 'não recebe recurso de ninguém'

correio afro
25.03.2022, 20:53:00
Marcelo Carvalho é diretor do Observatório (Foto: Divulgação)

Observatório da Discriminação do Futebol busca investimentos: 'não recebe recurso de ninguém'

Venda de camisas do torcedor antirracista sustenta Observatório da Discriminação Racial no Futebol; saiba como colaborar

Desde 1993, o futebol inglês conta com uma organização que luta contra o racismo no futebol. A 'Kick It Out' (chute pra fora, em tradução livre) recebe verbas de entidades do futebol inglês como ligas e clubes, além de um financiamento estatal, que possibilita o desenvolvimento de pesquisas, campanhas e apoio para acompanhar casos de racismo no futebol bretão.

No Brasil, o Observatório da Discriminação Racial no Futebol faz um trabalho semelhante desde o ano de 2014. Além de acompanhar e documentar casos de racismo no futebol, o projeto é responsável por revisitar a história dando margem a novas narrativas sobre personagens outrora estigmatizados como o goleiro Barbosa, uma vítima do racismo brasileiro, marcado após a derrota do Brasil para o Uruguai na Copa de 1950.

CONHEÇA O CORREIO AFRO

Após conseguir ampliar a visibilidade do tema racial dentro do futebol e ser reconhecido como uma iniciativa séria e de qualidade, o Observatório busca financiamento para conseguir e se manter e ampliar o trabalho já existente.

Convidado do programa Conexões Negras desta sexta-feira (25), o diretor executivo do Observatório comentou as dificuldades.

"Aqui no Brasil praticamente todas as instituições do esporte brasileiro usam dados do observatório. Imprensa, clubes, marcas... mas o Observatório não recebe recurso de ninguém", disse.

Vídeo: 'Um clube não vai ganhar mais ou menos se levantar bandeiras humanitárias', afirma Marcelo Carvalho

Ele ainda completou: "Eu preciso transformar o Observatório no Instituto, numa ONG. Eu, Marcelo Carvalho, não posso assumir a criação de uma organização sem saber se vou ter recurso para manter. O observatório precisa que essas instituições que reconhecem o trabalho do observatório invistam. Não é investir no Marcelo Carvalho, é no Observatório. Para pensar em novas ações e não dá para fazer isso sem investimento".

Na conversa, disponível na íntegra no Instagram do Jornal CORREIO, Marcelo Medeiros explicou que o Observatório sobrevive da venda das camisas, batizada de 'camisa do torcedor antirracista', e de ações esporádicas que consegue fazer com clubes ou marcas.

Novo modelo da camisa do torcedor antirracista, do Observatório da Discriminação Racial no Futebol, é vendida no site da instituição. Clique aqui para saber como comprar (Foto: Divulgação)

Confira a íntegra da entrevista no Instagram do Jornal CORREIO (@correio24horas) ou no vídeo abaixo.

O Conexões Negras é o programa semanal do Instagram do Jornal CORREIO, apresentado pelo repórter Vinícius Nascimento e que discute a negritude na Bahia, no Brasil e no Mundo. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas