ONG faz agendamento para retirada do conversor digital no Parque da Cidade

salvador
19.08.2017, 16:51:00
(Evandro Veiga/CORREIO)

ONG faz agendamento para retirada do conversor digital no Parque da Cidade

Parque Digital é uma parceria da Seja Digital com Parque Social

No dia 27 de setembro, o sinal analógico de televisão será desligado em Salvador e mais 19 municípios da Região Metropolitana, Ilhas e Recôncavo. Para ter acesso ao sinal digital, as pessoas precisam ter uma TV Digital ou usar um conversor na TV analógica. Por conta disso, o Parque da Cidade recebeu, na manhã deste sábado (19), o evento Parque Digital, resultado de uma parceria entre o Parque Social e a ONG Seja Digital, que entrega os kits com conversores para beneficiários dos programas do governo como Bolsa Família, Tarifa Solidária de energia elétrica, Vale Gás e Carteira do Idoso.

"A gente sabe o benefício que vai ser para a população a mudança do sinal para o digital e disponibilizamos ainda serviços que a comunidade não consegue fazer durante a semana, beneficiando toda a cidade de Salvador e não só o entorno aqui do Parque", afirmou Flávia Henrique, diretora administrativa do Parque Social.

Em Salvador e RMS, que reúne uma população de 4,1 milhões de pessoas, 86% já estão digitalizadas, segundo dados da Seja Digital.  "A meta para o desligamento é que 93% esteja digitalizado", explica a coordenadora regional de comunicação da Seja Digital, Luana Nunes.

Para que isso aconteça, os beneficiários de mais de 30 programas do governo federal precisam agendar a retirada do kit, que pode ser feita em ações como a que aconteceu no Parque da Cidade, nas Prefeituras Bairro, pelo site sejadigital.com.br ou pelo telefone 147.

Nessas 20 cidades, o contingente de beneficiários de programas do governo federal é de 580 mil pessoas - destas, 405 mil já retiraram os kits que estão sendo distribuídos gratuitamente pela Seja Digital mediante agendamento. Outras 5 mil já agendaram a retirada. 

"No momento, estamos em busca, principalmente de quem é beneficiário do Minha Casa Minha Vida Faixa 1, que recebe até três salários mínimos", complementa. Os bairros com maior número de beneficiários que ainda não fizeram o agendamento para retirada do kit são Paripe, São Cristóvão, Plataforma e Pernambués.

Quem não tem direito a retirar o conversor gratuitamente precisa comprar, caso queira continuar recebendo sinal de televisão. O mesmo acontece para quem tem direito, mas possui mais de uma TV em casa. "Cada família só pode retirar apenas um", aponta Luana. Os kits que vêm com conversor, antena e controle remoto podem ser compradas em lojas de varejo, eletrônicos e em algumas de material de construção e custam entre R$ 150 e R$ 200.

É necessário ter uma antena para captar o sinal digital. Aparelhos de televisão com conversor (fabricadas após 2010) só precisam da antena; já TVs sem conversor precisam de antena e conversor para captar o sinal digital.

(Foto: Evandro Veiga/CORREIO)

Outras atividades
Além de agendar a retirada do conversor, quem esteve no Parque da Cidade neste sábado, teve acesso a alguns serviços oferecidos pelo Parque Social, que reuniu ações na área social, jurídica, profissional, de saúde, de lazer e outros. Massagem, aplicação de flúor e exame de pressão ocular foram feitos na população que também contou com shows, apresentações artísticas e tendas com lanches e artesanatos. A auxiliar de educação em escola infantil Claudia Silva aproveitou o momento para fazer uma massagem. "Vim fazer uma caminhada e vi que estava acontecendo. Foi uma experiência maravilhosa", conta. Ela diz ainda que, como já tinha o retirado o conversor, não precisou agendar.

Confira as cidades baianas que terão o sinal analógico desligado em 27 de setembro:
Salvador
Aratuípe
Cairu
Camaçari
Dias D'Ávila
Itaparica
Jaguaripe
Lauro de Freitas
Madre de Deus 
Maragogipe
Nazaré
Salinas das Margaridas
Santo Amaro
São Francisco do Conde
São Sebastião do Passé
Saubara
Simões Filho
Terra Nova
Vera Cruz

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas