Operação mira traficantes e PMs corruptos na Baixada Fluminense

brasil
06.07.2017, 10:32:00
Atualizado: 06.07.2017, 10:35:33

Operação mira traficantes e PMs corruptos na Baixada Fluminense

Entre os denunciados estão o traficante Ipojucan Soares de Andrade, o Coroa ou JJ, que está preso desde agosto de 2015, e o filho adotivo dele, Silvio Cesar de Jesus Esteves, o Silvinho

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPE-RJ) e a Polícia Militar realizam hoje (6/7), em Japeri, na Baixada Fluminense, a Operação Estado Paralelo para cumprir mandados de prisão contra 31 traficantes que atuam na região e de mandados de busca e apreensão nas casas de 17 policiais militares acusados de serem coniventes com os bandidos.

As equipes estão em favelas como o Parque União e o Chapadão e no Complexo Penitenciário de Bangu, na zona oeste, entre outros pontos. A ação é do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP e da Coordenadoria de Inteligência da Polícia Militar, com apoio da Corregedoria da PM.

Entre os denunciados estão o traficante Ipojucan Soares de Andrade, o Coroa ou JJ, que está preso desde agosto de 2015; o filho adotivo dele, Silvio Cesar de Jesus Esteves, o Silvinho; e Marcelo da Silva Guilherme, o Marcelinho dos Prazeres.

Preso desde outubro de 2013, Marcelinho dos Prazeres mantinha o controle da quadrilha de traficantes investigada mesmo quando estava no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), supostamente sem comunicação por telefone com o grupo do lado de fora do presídio de Bangu.

Alan Camargo da Silva, o Gordão, segundo o MP, negociava armas e munições para o tráfico das comunidades de Japeri. Breno da Silva de Souza é acusado de praticar roubos no Arco Metropolitano e nas regiões de Engenheiro Pedreira e Paracambi, na Baixada. 

Estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão nas casas de 17 PMs. Eles teriam recebido propina para não coibir o tráfico em comunidades da região.



***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas