Ordenação e clareza são indispensáveis

césar romero
11.10.2021, 14:15:00

Ordenação e clareza são indispensáveis

O museólogo é o profissional que cuida da ciência da museologia. Entre suas tarefas estão a administração, manutenção, organização e acondicionamento das obras de arte, peças históricas e exposições que podem ser fixas ou temporárias. É um pesquisador que identifica, organiza, cuida da preservação e classificação de peças de valor artístico e histórico. Planeja, organiza exposições, busca intercâmbios, parceiros, sempre tendo o cuidado educativo e possibilidades de atrair público, formar multiplicadores, monitores e pessoal de apoio. 

Um museólogo é um exercício de paciência, cautela, senso observante, capacidade de acumulação, análise, pensamento lógico, intuitivo e um certo refinamento para cuidar da fragilidade dos objetos artísticos. Ordenação e clareza são indispensáveis.  

O mercado é amplo: administração de museus, centros culturais, centros de pesquisas, galerias, aquisição de obras de arte. Nunca esquecer o trabalho educativo. 

Mas não se faz o que deveria ser feito. Ficam os museólogos que trabalham em aparelhos ligados a sua profissão, atados, sem verbas lícitas, para manter suas instituições, restaurando o que for necessário, mantendo pesquisas e o mais difícil verbas para aquisição de obras de arte. Cansa a célebre frase “não tem verba”. Muitas exposições que são realizadas nos museus da nossa cidade precisam dos artistas para repor lâmpadas, consertarem ar condicionado, pintar as paredes, fazer os catálogos. Os museus dão apenas as paredes e cada artista trate de cuidar do que falta. Até de pregos. 

Existem elementos necessários: verbas, recursos que o museu necessita para ter um direcionamento e uma finalidade. Planos ou metas que sejam passíveis cumprir durante cada ano. E sempre deve ser feito com antecedência. Detalhar seus espaços para que se pense na arquitetura do museu, buscando formas para adequação do que vai ser mostrado. Delimitar os espaços expositivos, a reserva técnica e os espaços administrativos. Observar e documentar o número de obras pertencentes ao museu, artistas, escolas, dimensões, técnicas, ano de realização. 

Uma informação e identificação precisas sobre o acervo. Ter seu arquivo atualizado, ter registros e datações. Outro aspecto importante é a reserva técnica, onde os museus conservam cerca de 80% do seu patrimônio. A questão das obras não expostas merece atenção, para que não deteriorem em função do tempo e intempéries. Preservar é importantíssimo. Qualidade das exposições, estas um elo entre o museu e o grande público. O conteúdo, a ideia e a forma, somadas devem funcionar e valorizar o exposto.  

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas