Ouviu alguma coisa? Internautas ouvem barulho do céu e criam teorias

em alta
06.05.2020, 09:23:59
Atualizado: 06.05.2020, 09:29:14

Ouviu alguma coisa? Internautas ouvem barulho do céu e criam teorias

Especialista diz que fenômeno pode ter ligação com o isolamento, mas não é sinal do apocalipse; entenda

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O silêncio da madrugada de quarentena foi interrompido por uma série de estrondos escutados em todo o Brasil. O barulho misterioso alimentou diversas teorias da conspiração e, em tempos de pandemia, tem até gente falando em fim do mundo. Porém, calma. Tem explicação!

De fato o ruído tem relação indireta com o coronavírus, porém isso não é um sinal do apocalipse. Bruna Ignaczuk, professora pós-graduada em física, em entrevista ao portal BHAZ, explicou a questão.

“O som ocorre quando gases entram em contato com mudança de pressão atmosférica. Como acontece quando o ar sai de uma bexiga cheia ou de uma panela de pressão”, explica.

Para a especialista, o fato pode ter ligação indireta com a pandemia de coronavírus – afinal, com a quarentena, os índices de poluição têm diminuído.

“Pode ser que com menos funcionamento da indústria, uma quantidade menor de poluição na atmosfera influenciou a movimentação dos gases”, avalia.

Coronavírus e poluição
A quarentena, consequência das medidas de isolamento social, apesar dos impactos na economia, tem conseguido diminuir os índices de poluição em diversos locais.

Imagens de satélites captadas de janeiro a março pela Agência Espacial Europeia (ESA) e pela sua contrapartida norte-americana NASA mostram uma redução drástica das emissões de dióxido de nitrogénio (NO2). Uma das regiões onde o efeito é mais visível é o norte da Itália.

O NO2 é emitido para atmosfera principalmente pela combustão de veículos e fábricas, com uma incidência especialmente forte na China, mas também outros grandes polos industriais. A redução dos voos domésticos na Europa também resultaram na redução em 25% das emissões de gás carbônico (CO2) desde meados de fevereiro.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas