Pais são condenados por matar filho após choro atrapalhar sexo do casal

em alta
24.06.2019, 18:41:00
Atualizado: 01.10.2019, 11:22:01
(Foto: Reprodução)

Pais são condenados por matar filho após choro atrapalhar sexo do casal

Bebê tinha apenas dois meses; Caso aconteceu na Inglaterra

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Luke Morgan, 26, e Emma Colle, 22, foram julgados e condenados na última sexta-feira (21) pelo assassinato do filho do casal, de apenas dois meses. O bebê morreu sufocado após começar a chorar durante uma relação sexual do casal, em Staffordshire, na Inglaterra, em 29 de abril de 2014.

O júri concluiu a decisão com base em informações apresentadas pelos investigadores. Considerados culpados pela morte do pequeno Tyler Morgan, Luke e Emma foram condenados à prisão; ele ficará detrás das grades por oito anos, e ela, por seis.

Foto: Reprodução

A criança foi sufocada propositalmente pelo pai enquanto a mãe era cúmplice. O crime aconteceu porque Luke teria se irritado com o choro do filho enquanto transava com a mulher.

Durante o julgamento, o juiz Michael Chambers revelou que os pais demoraram uma hora para chamar uma ambulância após terem cometido o crime. No hospital Tyler não resistiu e faleceu. Resultados de exames mostraram que o bebê tinha uma costela quebrada e marcas de mordida pelo corpo.

O pai, Luke, tinha o “hábito” de bater no filho, o que teria gerado várias lesões na criança.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas