Pandemia deixou o desfile do Sete de Setembro minguado

salvador
07.09.2020, 11:43:00
Atualizado: 07.09.2020, 19:18:17
Ruas ficaram vazias (Tiago Caldas/CORREIO)

Pandemia deixou o desfile do Sete de Setembro minguado

Festa foi cancelada por conta do novo coronavírus, e nem o sol apareceu

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Dessa vez não deu para ouvir o grito do Ipiranga. Nada de soldados, cavalos ou pirâmide humana. Por conta da pandemia e da tara do novo coronavírus por aglomerações, o desfile do Sete de Setembro de 2020 ficou por conta da memória. O grito retumbante da multidão que todos os anos se espreme entre as grades para ver o cortejo passar foi substituído pelo silêncio, que ficou ainda mais melancólico com o barulho da chuva.

Um Sete de Setembro sem desfile e sem o verde e amarelo nas ruas

Exército em cerimônia no Quartel General, na Mouraria (Foto: Divulgação)

Aliás, neste ano não teve espaço nem para o sol em raios fúlgidos. O que brilhou no céu da pátria, ou ao menos no céu de Salvador no horário do tradicional desfile, foram nuvens carregadas. Os meteorologistas dizem que a culpa é de uma frente fria, mas há quem garanta que o problema é 2020, o ano que começou errado. Com o tempo chuvoso, muita gente preferiu passar o feriado deitado em berço esplêndido no sofá de casa, e as ruas ficaram vazias.

Chuva e feriado deixam o movimento fraco no Campo Grande (Foto: Tiago Caldas/ CORREIO)

A Praça do Campo Grande, onde começa o desfile, estava fechada na manhã desta segunda-feira, assim como todo o comércio das proximidades. Os 198 anos da Independência passaram batido. Maria das Graças Aragão, 41 anos, trabalha há 13 anos em uma banca de revista e jornais no bairro e contou que ficou sentida por não poder saudar a pátria amada e idolatrada.

“O desfile não poderia mesmo acontecer por conta da aglomeração que ele provoca, mas poderiam ter feito alguma coisa para não passar em branco. Todo ano faço fotos e vídeos. Acho bonito. Você acredita que de manhã cedo apareceram umas pessoas vestidas de verde e amarelo aqui? Pensaram que teria alguma comemoração”, contou.

Maria das Graças sentiu falta do desfile (Foto: Tiago Caldas/ CORREIO)

O Exército tentou fazer uma gracinha para a data mais importante do país não passar despercebida. O evento com bandas e celebrações aconteceu na porta do Quartel General, na Mouraria, e foi uma forma de demonstrar um raio vívido de amor e de esperança à terra. Nessa região da cidade, o formoso céu risonho e límpido rivalizou com as nuvens e, em alguns momentos, a chuva deu uma trégua.

Já no trajeto tradicional da festa, a Avenida Sete de Setembro, nem parecia que era uma data especial. Alguns lojistas aproveitaram as calçadas vazias e o trânsito calmo para dar um grau nas fachadas dos estabelecimentos ou para organizar os produtos nas prateleiras.

Lojistas aproveitaram a calmaria para cuidar das lojas (Foto: Tiago Caldas/ CORREIO)

Mas, se esse ano os risonhos e lindos campos não tiveram flores para celebrar a data, nem os bosques tiveram a vida efusiva do povo para acenar para os militares, quem gosta do desfile garante que não faltaram mais amores. O estudante Rafael Nascimento, 28, celebrou a data em casa.

“Quando eu era criança, meus pais me levavam. Depois, continuei indo por causa de minha irmã e, nos últimos anos, por conta de meu afilhado. Apesar desse ano não ter desfile a gente comemorou em casa. É uma data muito importante e que precisa ser sempre lembrada”, contou.

Avenida Sete de Setembro vazia na manhã desta segunda-feira (Foto: Tiago Caldas/ CORREIO)

Os baianos garantem que o Sete de Setembro é tão importante quanto o Dois de Julho - as duas datas tratam da terra adorada e reverenciam a pátria amada. Mas, nesse 2020 às avessas, com uma pandemia, não custa repetir o pedido: paz no futuro e glória no passado. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas