Papagaios ficam de castigo após chamarem diretor do parque de 'cretino'

em alta
30.09.2020, 18:50:32
Atualizado: 30.09.2020, 18:58:44
(Foto: Reprodução)

Papagaios ficam de castigo após chamarem diretor do parque de 'cretino'

Visitantes foram xingados e ouviram aves rebeldes dizendo 'fod*-se' repetidas vezes

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Cinco papagaios precisaram ser isolados após xingarem funcionários e visitantes do Parque Lincolnshire Wildlife, na Inglaterra. Eles, que são da espécie cinzento africano, foram doadas por cinco proprietários diferentes, chegaram ao local no dia 15 de agosto e desde então as ofensas não pararam.

Eric, Jade, Elsie, Tyson e Billy compartilharama mesma uma habitação após a chegada ao parque. Funcionários que algum deles foi uma "má influência" e ensinou o palavreado indecente aos amigos. As aves começaram a xingar visitantes apenas 20 minutos depois da transferência para a área comum do parque.

"Foi uma loucura, todos eles estavam xingando! Eu fui chamado de 'gordo cretino' a cada vez que passei por eles. Ficamos preocupados principalmente com as crianças. Estávamos próximos de um fim de semana com várias visitas agendadas", contou o diretor-executivo do local, Steve Nichols, à "CNN".

De acordo com Nichols, muitos visitantes soltaram gargalhadas e se divertiram com a habilidade inusitada das aves e inclusive xingaram os animais de volta. O palavrão fod*-se foi o mais repetido entre os papagaios. A equipe decidiu por isolar as aves na esperança de que elas se familiarizem com palavras menos ofensivas.

"Essa espécie é muito, muito boa em aprender a vocalizar todo tipo de ruído. Agora eles serão soltos em áreas separadas e a ideia é que aprendam e se acostumem com o barulho dos outros pássaros que estão por perto", explicou Nichols em entrevista ao site "Lincolnshirelive".

O parque atualmente abriga 1.500 papagaios. De acordo com o diretor, é comum que o espaço receba doações de animais, mas houve um aumento da demanda durante a pandemia do novo coronavírus. Para Nichols, após passarem mais tempo com as aves em casa, muitos donos decidiram levá-las para um lugar onde poderiam viver mais livremente.

"Normalmente recebíamos em média um ou dois papagaios por quinzena, agora esse número subiu para oito", conta Nichols.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas