Paulo Gustavo pelo olhar de quem esteve com ele no Santuário de Dulce

salvador
04.05.2021, 22:32:00
Atualizado: 04.05.2021, 22:34:39
Paulo Gustavo em visita às Osid no dia 29 de junho de 2017, ao lado de Beatriz Bouzas, Gabriel Weber (esquerda) e Marival Santos (direita) (Foto: Divulgação)

Paulo Gustavo pelo olhar de quem esteve com ele no Santuário de Dulce

Ator ajudou a construir unidade oncológica nas Osid onde um dos pedreiros foi atendido anos depois

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Uma saia preta e uma blusa de onça: Consuelo Vidal, 47 anos, lembra exatamente da roupa que estava usando no dia em que o ator Paulo Gustavo visitou as Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), em 29 de junho de 2017. “Foi um dia muito especial”, justifica a coordenadora de compras da instituição. “Segui ele por toda a Osid, a pessoa simples que ele é. Não tenho palavras para explicar”, completa a fã declarada.

O ator, que morreu em decorrência de complicações da covid-19, nesta terça-feira (4), após passar quase dois meses numa longa batalha contra a doença, financiou há quase quatro anos a construção de uma unidade de oncologia das Osid. Ele doou R$ 600 mil e, no dia em que começou a construção do espaço, fez uma visita.

Ao lado da superintendente das Osid e sobrinha de Santa Dulce, Maria Rita, Consuelo recebeu Paulo Gustavo pelas dependências da instituição que, no total, foi beneficiada com cerca de R$ 1,5 milhão em doação do ator.

Durante cerca de uma hora e meia de passeio, Paulo Gustavo era “sempre muito simpático” com os funcionários e voluntários, tirava foto com todos que pediam, sorria e “sempre tinha uma piada, fazia as pessoas rirem de alguma forma”, lembra Consuelo. Em um dos momentos, fez até “um videozinho tirando terra do local onde foi construída a unidade como se tivesse iniciando a obra”, recorda, rindo.

Encarregado de serviços do setor de manutenção patrimonial das Osid e um dos pedreiros envolvidos na construção da unidade, Marival da Silva Santos, 39, não imaginava que um dia precisaria ser atendido na unidade que Paulo Gustavo ajudou a erguer. Anos depois, com uma crise de dor aguda, Marival foi levado às pressas para as Osid onde identificou um cálculo renal.

(Foto: Reprodução Instagram)

“Me marcou, né? Foi uma ajuda grande. Não vou esquecer! Sou muito grato às Obras e a Paulo. Me emociono quando falo”, conta Marival, que trabalha há 21 anos nas Osid. Feliz de ter conhecido o ator pessoalmente, ele recorda com alegria a experiência. “Um artista com aquela simplicidade de pegar na pá pra fazer o serviço pesado, pra construir uma unidade que a gente estava precisando, marcou muito a instituição”, reforça.

“Positivo”, “pessoa do bem”, “animado mesmo” é como Marival descreve Paulo Gustavo. “Dava pra ver que era uma pessoa muito humilde também e atenciosa, dava mesmo atenção. Antes de tudo isso acontecer, ele mandava mensagem tanto pra funcionário como paciente falando para se cuidar, usar máscara. É uma pessoa que a gente sente mesmo, que faz falta”, lamenta.

Pequena Dulce
Paulo Gustavo conheceu o hospital, o setor de atenção aos pacientes com deficiência e o Memorial Irmã Dulce, que foi criado em 1993, um ano depois da morte da freira baiana. O humorista também visitou o Santuário Santa Dulce e a Capela das Relíquias, onde fica o túmulo que guarda os restos mortais da primeira santa brasileira. Esse, inclusive, foi um dos momentos mais marcantes para Consuelo.

“Me tocou muito. Quando a gente foi para a Capela das Relíquias, que fica no Santuário, ele e Maria Rita ficaram ali durante um tempo, conversando baixinho, e ele tocando no túmulo. Foi muito emocionante, porque senti algo. E o local é muito significativo pra gente. Foi um momento de muita fé”, recorda. Outra emoção narrada por Consuelo foi ver sua filha de dez anos vestida de Irmã Dulce para receber o ilustre visitante. 

Beatriz Bouzas Caria, hoje com 14 anos, confessa que morreu de vergonha no dia em que se vestiu de Anjo Bom para acolher o ator. “Para ser sincera, eu não queria me vestir de Santa Dulce, porque achei meio embaraçoso. Pensei em desistir: o que Paulo Gustavo vai pensar?”, questionou, na época. Nervosa, se vestiu às pressas e se escondeu atrás da mãe.

Beatriz vestida de Santa Dulce para receber Paulo Gustavo nas Osid (Foto: Acervo pessoal)

“Fui toda tímida falar com ele, porque sempre fui uma garota muito tímida. Me lembro até hoje que ele postou nos stories e eu apareci! De cabeça baixa... A primeira coisa que fiz foi tirar um print e mandar para minhas amigas: ‘Apareci nos stories de Paulo Gustavo passando vergonha’”, conta Beatriz, rindo. Apesar do embaraço, “aquela visita foi uma das coisas mais generosas” que já viu.

A Dulce mirim lembra que o ator escutou com atenção o que Maria Rita disse naquele dia “e isso foi muito generoso”. “É uma das provas de que ele é uma pessoa boa, muito carinhosa. Ele é inspirador”, elogia Beatriz, que nunca imaginou ver Paulo Gustavo nas Osid. “Nunca passou pela minha cabeça. E quando minha mãe falou que ele ia doar, fiquei sem palavras. Foi um choque muito grande. Fiquei emocionada”, conta.

Preconceito
Beatriz, que em 2018 fez um desenho para Paulo Gustavo e entregou nas mãos do ator no camarim da Concha Acústica, onde ele apresentou Minha Mãe é Uma Peça, destacou que o ator era “uma pessoa muito forte”. “Ele sofria muito preconceito por ser casado com um homem. Admiro isso”, completa. Sua mãe concorda e diz que o “mundo precisa de pessoas como Paulo Gustavo, não só para fazer as pessoas sorrirem”.

Dona Hermínia conquistou o Brasil, é fato, mas Consuelo enaltece a pessoa além da personagem. “Ele fez o bem para muitas famílias. De uma forma muito leve, fez com que as pessoas aceitassem a homossexualidade em suas casas, em seus círculos. Para quem não achava normal um casal gay ter uma família, ele mudou isso”, diz, sobre o ator que era casado com o dermatologista Thales Bretas e tinha dois filhos, Gael e Romeu. 

“E vou ser bem sincera com você: ele me ajudou também, porque venho de uma família tradicional. Me ajudou a vencer preconceitos. O ser humano é um eterno aprendiz. Olho pra família dele e penso: Como alguém deslegitima esse amor?”, questiona. “Não só como humorista, mas como humano, Paulo Gustavo é muito especial não só pra mim, mas para o Brasil. Acho que é um filho querido de Santa Dulce”, conclui.

Beatriz e a mãe Consuelo no dia da visita de Paulo Gustavo às Osid
Beatriz e a mãe Consuelo no dia da visita de Paulo Gustavo às Osid (Foto: Acervo pessoal)
(Foto: Reprodução Instagram)

Paulo Gustavo estava internado no Copa Star, em Copacabana, no Rio de Janeiro, e não resistiu às complicações da covid-19 após ficar mais de um mês intubado. Ele chegou a ser submetido a tratamento com ECMO, uma espécie de pulmão artificial, e chegou a apresentar melhora na tarde de domingo, quando chegou a acordar e interagir com a equipe médica e o marido, o também médico Thales Bretas. Na noite de domingo, no entanto, ele teve uma piora súbita e veio a falecer nesta terça, deixando dois filhos, os gêmeos Romeu e Gael.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas