Pesquisa em aquífero para ampliar área irrigada no Oeste será apresentada na Alba

bahia
25.02.2018, 12:55:00
Atualizado: 25.02.2018, 13:08:08

Pesquisa em aquífero para ampliar área irrigada no Oeste será apresentada na Alba

Urucuia possui uma área aproximada de 140.000 km2 - metade na Bahia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Estudo que mede a quantidade de água existente sob o solo baiano e o potencial hídrico do Oeste da Bahia será apresentado pela primeira vez nesta segunda-feira (26), às 14h, no Auditório da Assembleia Legislativa da Bahia. 

O trabalho feito por pesquisadores da Universidade de Nebraska, nos Estados Unidos, e da Universidade Federal de Viçosa (UFV), em Minas Gerais, será exibido durante o I Seminário Internacional de Pesquisa Científica para Políticas Públicas de Gestão Sustentável dos Recursos Hídricos.

O evento vai reunir representantes do governo e sociedade civil para debater o tema. Os resultados apresentados podem interferir na produção agrícola da Bahia, uma vez que a escassez de água gera insegurança em vários setores, sobretudo no agronegócio, cuja produção depende diretamente dos recursos hídricos disponíveis. Também vão participar do Seminário Internacional agricultores brasileiros e norte-americanos, além de ambientalistas e representantes de órgãos ambientais.

Produtores financiam pesquisa em aquífero para ampliação de área irrigada no Oeste

“Não se pode falar em crise hídrica nem mesmo em produção sustentável sem antes mensurar os recursos. E o que o estudo propõe é exatamente quantificar e qualificar a água subterrânea existente na região para, então, propor um modelo de gestão que seja sustentável, garantindo os múltiplos usos dessa água”, pontuou o professor Aziz Galvão, pesquisador do Institute Water for Food (Instituto Água para Alimentos), da Universidade do Nebraska-Lincoln.

Segundo Galvão, é possível plantar com sustentabilidade, garantindo água para o consumo humano e animal, para a agricultura irrigada e ainda para lazer e recreação. O segredo, revela o pesquisador, está na gestão correta do recurso natural, como é feita em Nebraska, a região mais irrigada dos Estados Unidos.

Com uma área de 3,5 milhões de hectares sob pivôs centrais, utilizando em sua maioria águas subterrâneas, o estado norte-americano é referência mundial em gestão de recursos hídricos, com um sistema inovador para produzir alimentos de forma sustentável.

É esta experiência de sucesso que os pesquisadores pretendem trazer para o Brasil, mais especificamente para o Oeste da Bahia, conhecido polo produtor de grãos e fibra, e que tem um cenário bastante semelhante ao dos americanos.

A região abriga boa parte do Sistema Aquífero Urucuia (SAU), conhecido como a caixa d’água sob o cerrado. Apesar da abundância, os produtores rurais daquela área não usufruem do recurso hídrico e têm sido castigados pela severa estiagem dos últimos cinco anos.

O aquífero
Dos 76.000 km² de extensão do aquífero, que corta cinco estados brasileiros, a parte mais expressiva fica situada no Oeste da Bahia. Ele pode ser a chave para o potencial e a segurança hídrica da região.

“Nós não vamos parar de comer, então é preciso continuar plantando, por isso a busca por uma agricultura sustentável, porque é ela que garantirá a segurança alimentar do mundo”, disse o pesquisador, ressaltando que a irrigação pode ser a solução e não a vilã da história, desde que alterada a política de gestão das águas.

Para o presidente da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Celestino Zanella, o monitoramento do SAU é de extrema importância não só para os agricultores, mas para toda população do Oeste baiano, pois ele é a principal fonte de recarga dos rios que abastecem as cidades da região e outros rios do país.

“O produtor rural não pode ser visto como vilão. As pessoas precisam entender que ele é o maior interessado em preservar os rios, pois o seu negócio depende diretamente disso. Se o rio secar isso inviabiliza o nosso sistema de produção. É daqui que tiramos o nosso alimento e também o de uma nação inteira. Para continuar produzindo, a gente precisa da água, pois não há outro modo de produzir. Nenhum produtor, em sã consciência, vai investir em um sistema de irrigação caríssimos para implantar em uma área que corre o risco de secar. É ingênuo pensar que alguém quer perder dinheiro e colocar a segurança alimentar em risco”, salientou.

Zanella aposta no estudo científico como uma ferramenta segura para comprovar o potencial hídrico do Oeste da Bahia e assegurar as atividades de irrigação, sem causar medo à população ou desequilíbrio ao meio ambiente. “Com isso, teremos um panorama real da situação hídrica na região, atestado por quem mais entende do assunto. O estado de Nebraska, nos Estados Unidos, tem uma capacidade menor que a nossa e irriga uma área bem maior, sem colocar em risco a segurança hídrica. O que queremos é quantificar essa água para que possamos fazer bom uso dela”, defende.

O estudo é financiado pelo governo da Bahia, através da Sema, Inema e Seagri, e conta com o apoio da Aiba, por meio do Programa para Desenvolvimento da Agropecuária (Prodeagro) e será apresentado também no Fórum Mundial da Água, que ocorre em março, em Brasília.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas