Petição virtual quer impedir retirada de área de preservação na Chapada Diamantina

bahia
09.07.2020, 07:00:00
Atualizado: 09.07.2020, 07:49:38
(Divulgação)

Petição virtual quer impedir retirada de área de preservação na Chapada Diamantina

Parque Municipal do Vale do Boqueirão, em Palmeiras, pode perder 70% de sua área

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Após matéria publicada pelo CORREIO no último final de semana, uma petição virtual foi criada para impedir que uma área de preservação ambiental da Chapada Diamantina tenha 70% do seu território reduzido. A área fica localizada no Parque Municipal do Boqueirão, no Vale Caeté-Açu, no Capão, distrito de Palmeiras. Atualmente com 153 hectares, passaria a ter um território de apenas 52 hectares. Uma empresa de consultoria ambiental já fez o novo traçado e entregou à prefeitura.

A petição, intitulada ‘Pelo Cumprimento do TAC do Parque Municipal do Boqueirão - Palmeiras - Ba’, explicita a indignação da redução do território, que foi projetado pela empresa de consultoria, e diz que a ação “beneficia atividades de invasão e especulação imobiliária em detrimento do equilíbrio ecológico e do interesse coletivo dos habitantes dessa região”, informa o texto.

O documento on-line já tem mais de 3.100 assinaturas. A meta é alcançar cinco mil apoiadores.

O receio de nativos e moradores é de que tenha sido aproveitado o contexto da pandemia de covid-19 para solicitar uma recontagem do local, transformado em parque por meio do decreto nº 224, de 2015, para atender aos interesses de posseiros. No levantamento recente, o Boqueirão perde o equivalente a 100 campos de futebol. 

A petição ainda reforça que um decreto da prefeitura de Palmeiras, de 2015, tem como objetivo “preservar e proteger o Vale do Boqueirão e Riachinho de ações danosas e predatórias contra o meio ambiente”.

A retirada das centenas de hectares vai de encontro a essa determinação. Em um trecho, a petição pede que “a Prefeitura cumpra o acordo firmado com o Ministério Público de zelar pelo Parque Municipal do Boqueirão. Que execute a desocupação imediata do mesmo, a retirada da cerca colocada pelos invasores e que haja real e efetiva proteção, preservação e uso sustentável dos recursos naturais da área do parque, cumprindo assim o TAC, que é parte do Inquérito Civil”.

Em setembro do ano passado, o CORREIO já havia denunciado a prática de grilagem no Vale do Capão, quando um nativo cercou uma área de preservação e ameaçou vizinhos. No fim da petição, é possível acessar a matéria completa do CORREIO e também documentos como o decreto de prefeitura de Palmeiras, de 2015, o acordo de implementação do Parque Municipal do Boqueirão e um vídeo sobre esse acordo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas