Pfizer e governo federal não chegam a acordo sobre vacinas, diz colunista

coronavírus
22.02.2021, 14:08:41
(AFP)

Pfizer e governo federal não chegam a acordo sobre vacinas, diz colunista

Motivo do impasse são as cláusulas contratuais da negociação

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A farmacêutica Pfizer afirmou — em reunião com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o senador Randolfe Rodrigues — que não aceita as exigências feitas pelo governo brasileiro para iniciar as vendas da sua vacina contra a covid-19 para o país. As informações são da jornalista e colunista do jornal "Folha de S.Paulo", Mônica Bergamo.

O motivo do impasse são as cláusulas contratuais da negociação. A Pfizer deseja que o governo brasileiro se responsabilize por eventuais judicializações decorrentes de efeitos adversos da vacina. Além disso, a farmacêutica pede que qualquer litígio com o governo brasileiro seja resolvido em uma Câmara Arbitral americana, além de fornecer ativos no exterior como garantia de pagamento.

“Nós temos uma circunstância hoje, a Medida Provisória 1026, onde apresentamos uma emenda pela qual a União passa a assumir a responsabilidade civil pela vacina. Essa cláusula é uma exigência contratual e tanto a Pfizer quanto a Johnson deixaram claro que precisam desse dispositivo”, afirmou Randolfe ao jornal “O Globo”.

Além do Brasil, a Venezuela e a Argentina também não aceitaram as condições dadas pela farmacêutica. Em todo o mundo, 69 países já compraram a vacina da Pfizer, acatando as cláusulas contratuais, que, segundo a empresa, seguem um padrão internacional e não são exclusivas da farmacêutica em questão.

Ainda nesta segunda-feira (22), Rodrigo Pacheco vai ser reunir com o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, para conversas sobre o andamento das negociações do governo federal com os fornecedores de imunizantes contra o coronavírus.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas