PM reformado é preso por sequestro e morte de agente penitenciário e amigo

salvador
01.08.2017, 17:51:00
Atualizado: 01.08.2017, 17:56:03

PM reformado é preso por sequestro e morte de agente penitenciário e amigo

Segundo polícia, Juraci Belo Santo faz parte de quadrilha que sequestrou e matou dois homens

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O policial militar reformado Juraci Belo Santo foi preso nesta terça-feira (1º) acusado de fazer parte de uma quadrilha envolvida em vários crimes, incluindo extorsão e sequestro. Ele foi detido por policiais do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco).

O PM é acusado de envolvimento no sequestro, em outubro do ano passado, de Andrew Trindade Vieira, que era agente penitenciário, e Marcos Gomes Vida, na Federação. Os dois foram achados mortos em Simões Filho, depois dos bandidos pressionarem as famílias pedindo por resgates.

Na casa do PM, na Baixa de Quintas, foram apreendidos um revólver calibre 38 e 13 munições, que foram encaminhadas ao Departamento de Polícia Técnica. A arma será periciada para saber se foi usada em outros crimes.

Juraci seguirá para a Coordenadoria de Custódia Provisória (CCP), em Lauro de Freitas.

Crime
Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap), Andrew era contratado pela empresa Socializa, co-gestora do Conjunto Penal de Lauro de Freitas (CPFL). Ainda de acordo com a pasta, ele tinha pouco tempo de serviço na unidade e pouco contato com os internos do CPLF.

Agente foi torturado e morto
(Foto: Reprodução)

De acordo com um irmão de Andrew, o agente estava passando de carro próximo ao Cemitério Campo Santo, na Federação, onde morava, por volta das 11h30, quando foi abordado por três homens armados, que o sequestraram no veículo da vítima, um Toyota Corolla branco.

“Eles pediram celulares, joias, tudo o que ele tinha. Só conseguimos falar com ele 14h, quando já estavam pedindo o resgate. Depois disso não tivemos mais notícia de nada”, conta o homem que pediu para não ser identificado. Ele foi fazer a liberação do corpo de Andrew na manhã desta sexta-feira (14), no Instituto Médico-Legal Nina Rodrigues.

Ainda segundo o familiar, os criminosos ligaram para a namorada de Andrew pedindo R$ 100 mil para não matá-lo. À noite, o irmão recebeu, pelo celular, fotos do corpo do agente com sinais de tortura e marcas de tiros na cabeça ao lado do amigo, conhecido como Marquinhos, que também foi assassinado com as mesmas características. 

Conforme informou o irmão, Andrew estava trabalhando como agente há pouco tempo, cerca de dois anos. Ele não deixa filhos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas