Polícia apreende R$ 670 mil em fazenda na Bahia que pertence a irmão de prefeito

bahia
18.06.2021, 09:52:00
Atualizado: 18.06.2021, 20:12:13
(Foto: Divulgação/SSP)

Polícia apreende R$ 670 mil em fazenda na Bahia que pertence a irmão de prefeito

Uma aeronave modelo King Air foi encontrada estacionada da pista de pouso da fazenda

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A polícia apreendeu R$ 670 mil na noite de quinta-feira (17), em uma fazenda do Povoado de Encruzilhada, no município de Vitória da Conquista. A fazenda está registrada no nome do irmão de um prefeito de uma cidade do Estado de São Paulo. A Secretaria de Segurança Pública (SSP) não divulgou o nome do município, mas o CORREIO apurou que trata-se do prefeito de Embu das Artes, Ney Santos, que se encontrava no momento da ação. Já o irmão dele, não estava na fazenda.

O gerente da fazenda, que não teve a identidade divulgada, foi preso em flagrante, com armas e munições. Com o gerente foram apreendidos uma pistola calibre 380, uma carabina calibre 22 e mais de 250 munições. Ele foi autuado em flagrante por posse ilegal de arma de fogo, mas pagou fiança no valor de R$ 27 mil e foi liberado.

De acordo com informações da Polícia Civil, o gerente não teria o documento de porte de arma e sim o de posse de arma, então ele não tinha autorização para andar armado. Ainda foi dito que o dono da fazenda teria conseguido o valor da fiança com amigos empresários da região.

No momento do cumprimento da ordem judicial, foi encontrada uma aeronave modelo King Air, estacionada da pista de pouso e ao entrar na sede da fazenda, e a quantia de R$ 670 mil. O prefeito de Embur das Artes negou ser o proprietário do imóvel e do dinheiro. Ainda não foram entregues documentos que comprovam a origem do dinheiro, mas informações da Polícia Civil apontam que o prefeito teria afirmado que seria proveniente da venda de gados do irmão e o advogado dito que vai providenciar os documentos que comprovam a transação. Sobre o imóvel, o prefeito teria dito que é de um amigo de São Paulo que emprestou para ele ir à fazenda, informou também o órgão.

Foto: Divulgação/SSP

O prefeito que já foi condenado pela Justiça de São Paulo por disparo de arma de fogo em via pública, também é investigado por envolvimento com o tráfico de drogas. Foi arbitrada a fiança de R$ 27 mil para o gerente, que imediatamente foi paga. Os policiais investigam se o dinheiro faz parte de corrupção ou de alguma outra atividade ilícita. Segundo o CORREIO apurou, a família do prefeito passaria as festas juninas no local.

Participaram da operação intitulada “Narco Divisa”, a 10ª Coorpin de Conquista, a 21ª Coorpin de Itapetinga, a Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes de Conquista e o Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco).  Na hora que a polícia chegou ao local encontrou mais de 50 trabalhadores no local.

Escândalos

De acordo com reportagem do Intercept Brasil, publicada em março de 2018, Ney Santos só voltou a assumir a prefeitura de Embu das Artes após ter tido um habeas corpus concedido pelo STF. Em 2010, iniciou carreira na política ao se candidatar a deputado federal pelo PSC. Antes, já havia sido preso por receptação e formação de quadrilha e por assaltar um carro-forte portando uma metralhadora 9mm. Poucas semanas antes da votação, foi preso novamente por lavagem de dinheiro, estelionato, adulteração de combustível, sonegação fiscal e formação de quadrilha. 

Em 2012, foi eleito vereador de Embu. Em 2013, o vereador respondeu por compra de votos e teve o mandato cassado por decisão unânime no TRE-SP. Ficou afastado por 5 meses, mas recuperou o mandato através de liminar. Em 2016, teve a candidatura à prefeitura de Embu impugnada pela Justiça Eleitoral com base na Lei da Ficha Limpa. Mas uma nova liminar permitiu que Ney Santos se candidatasse e fosse eleito prefeito. Sua posse como prefeito foi barrada pela Justiça ao decretar outra prisão por lavagem de dinheiro e associação ao tráfico de drogas. Ele resolveu sumir da cidade e ficou foragido por 40 dias. Mas, graças a uma liminar obtida no STF com Marco Aurélio Mello, o pedido de prisão foi suspenso, e Ney Santos pôde assumir a prefeitura normalmente.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas