Polícia consegue diploma que Cátia Raulino entregou em contratação, que pode ser falso

salvador
24.09.2020, 18:53:00
Atualizado: 24.09.2020, 20:02:58
(Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Polícia consegue diploma que Cátia Raulino entregou em contratação, que pode ser falso

Documento pode ajudar a encerrar o inquérito policial e caso deve seguir na Justiça

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Responsável por investigar o caso da suposta jurista Cátia Raulino, a 9ª Delegacia Territorial (Boca do Rio) conseguiu agora um documento que deve encerrar o inquérito policial. Titular da unidade, o delegado ACM Santos recebeu um dos diplomas que ela apresentou no processo de contratação para ser professora do curso de Direito da UniRuy e há fortes indícios de que o papel seja falso.

Ouvida na delegacia nesta quinta-feira (24), Cátia permaneceu calada e preferiu só se manifestar em juízo sobre a documentação em questão.

Segundo o delegado, o ponto-chave do processo era saber se ela tinha ou não formação em Direito. A Universidade Federal do Maranhão (Ufma), onde ela diz ter feito graduação, enviou um ofício à delegacia em que negou qualquer vínculo dela com a instituição. Não há registro nem de que ela tenha trancado ou mesmo cancelado o curso. 

O diploma que ela apresentou à UniRuy e que agora está no inquérito da delegacia foi de pós-doutorado e, portanto, há inconsistências. “Ela não tem diplomas, não tem nem a graduação. A base da pirâmide é o título de bacharel. Se ela não tem esse, todos os outros, por si só, são inválidos, não têm valor nenhum. Estou me apegando a isso e vou encerrar minha investigação com base nisso”, explica o delegado. 

Em seu currículo Lattes — principal plataforma de dados curriculares do país, administrada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) — Cátia dizia ter graduação, mestrado e doutorado em universidades federais. Procuradas pelo CORREIO, todas as instituições, Ufma, Ufsc e Ufba, respectivamente, negaram a existência desses títulos.

O delegado diz que a coleta de informações sobre os fatos já foi finalizada, mas o caso ainda não foi encerrado. Falta terminar de documentar tudo em papel para submeter os arquivos para análise do Ministério Público da Bahia (MP-BA), que deve apresentar denúncia contra ela.

Possivelmente, o processo deve ser remetido ao órgão na próxima semana. Trata-se de um inquérito único, com cinco representações em desfavor dela. Ao todo, foram investigados os crimes de plágio por uso dos TCC’s de ex-alunos, exercício irregular da profissão, estelionato por causa da indução ao erro, falsidade ideológica devido ao currículo com dados inverídicos e fraude em documento público.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas