Polícia encontra sangue em carro onde sem-teto teve relações sexuais com esposa do personal

em alta
18.03.2022, 18:39:00
(Reprodução)

Polícia encontra sangue em carro onde sem-teto teve relações sexuais com esposa do personal

Exames continuam sendo feitos no automóvel e nos laboratórios

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) tem buscado encontrar pistas sobre o caso envolvendo o personal trainer Eduardo Alves, a esposa e o homem em situação de rua, em Planaltina, no Distrito Federal.

Em novos desdobramentos da investigação, no veículo, foram coletadas amostras de sangue e outros resíduos.

De acordo com reportagem do Metrópoles, os exames continuam sendo feitos no automóvel e nos laboratórios, com o que já foi coletado. Os investigadores também buscam detectar possíveis resquícios de sêmen.

Alves, de 31 anos, começou a bater no homem em situação de rua após encontrá-lo tendo relações sexuais com sua esposa, quando a vítima de agressão ainda estava dentro do veículo.

Após tratar das lesões na face e no corpo, o sem-teto recebeu alta do Hospital Regional de Planaltina (HRP) no fim da manhã dessa quinta-feira (17). Ele ficou uma semana internado na unidade de saúde e foi transferido para um abrigo da Secretaria de Desenvolvimento Social, fora de Planaltina.

“Ele está em um abrigo do DF. Pediu para não ficar em Planaltina”, afirmou a assistente social Andréa Pádua. De acordo com os profissionais de saúde, o homem não sofreu fraturas.

Eduardo afirma que a esposa estaria em surto psicótico e, assim, não teria havido relação extraconjungal consensual, mas um estupro. “Não se trata de uma traição conjugal e sim de crime de violência”, alegou, em vídeo divulgado nas redes sociais.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas