Policial militar é preso vendendo fuzil em shopping do Rio

brasil
02.04.2019, 13:00:00

Policial militar é preso vendendo fuzil em shopping do Rio

Sargento e comparsas foram detidos enquanto negociavam em estacionamento
Policiais com suspeitos em estacionamento de centro de compras (Foto: Reprodução)

Um policial militar e outros três homens foram presos, na tarde desta segunda-feira (1º), enquanto negociavam a compra de um fuzil, reunidos no estacionamento de um shopping center na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio.

O 3º sargento Fábio Henrique Soares, de 39 anos, ingressou na PM há 13 anos e trabalhava no 5º Batalhão (Praça da Harmonia).

Quando os policiais chegaram, ele ocupava o banco do motorista do veículo; a arma foi encontrada no porta-malas. O carro estava no estacionamento do shopping Downtown. Soares é acusado de integrar a quadrilha que vendia a arma.

Foto: Reprodução

O fuzil de calibre 5,56 tem uma luneta para uso de atiradores de elite e era oferecido por R$ 60 mil, segundo a Polícia Civil.

Além de Soares, foram presos Welker Iago Cruz Francisco, de 27 anos, que já foi condenado por tráfico de drogas, Bruno Francisco Castro da Costa, de 33 anos, e Thiago de Oliveira da Silva, de 35. A polícia não esclareceu qual deles queria comprar o fuzil.

Foto: Reprodução

A Polícia Militar informou que ainda nesta segunda-feira o policial seria encaminhado para a Unidade Prisional da PM em Niterói na região metropolitana do Rio.

Até a publicação desta matéria, a reportagem não havia encontrado representantes do PM e dos demais presos, para que se pronunciassem sobre as acusações. O espaço está aberto para as manifestações.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas