‘População não vacinada’ no país é alto risco, diz OMS sobre Febre Amarela

saúde
23.01.2018, 00:40:00
(Foto: Arquivo EBC)

‘População não vacinada’ no país é alto risco, diz OMS sobre Febre Amarela

No Rio, subiu para sete o número de mortos pela febre amarela

O grande número de pessoas não vacinadas contra a febre amarela no Brasil representa um “alto risco” de proliferação maior da doença no país. O alerta é da Organização Mundial da Saúde (OMS), que observa que as novas regiões que passaram a ser áreas de risco contam com população desprotegida, o que poderia levar “a um novo nível de transmissão”.

O alerta, emitido ontem aos demais governos no mundo, também destaca que a campanha de vacinação de ampla escala que será realizada para frear a febre amarela em 21 milhões de pessoas da Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo, representa “desafio significativo”.

A OMS, que nas últimas semanas mostrou preocupação com a situação no Brasil, diz que, “embora as medidas implementadas pelas autoridades brasileiras tenham contribuído para a ocorrência de menos casos, a quantidade de pessoas ainda não vacinadas que continuam a viver em áreas com ecossistemas favoráveis à transmissão do vírus da febre amarela representa um risco elevado”.

No Rio, subiu para sete o número de mortos pela febre amarela, segundo dados divulgados ontem pela Secretaria de Saúde.  Dois municípios da Região Serrana - Teresópolis e Nova Friburgo - confirmaram um novo caso cada. A campanha de vacinação da dose fracionada lançada pelo Ministério da Saúde tem início nessa quinta-feira em São Paulo e Rio de Janeiro, que anteciparam a data. Na Bahia, único estado que não antecipou a campanha, permanece a data prevista (de 19 de fevereiro a 9 de março). O dia 24 será o dia “D” da campanha.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas