Por engano, mãe leva brownie de maconha para encontro com amigas em centro de idosos

em alta
18.01.2022, 08:42:50

Por engano, mãe leva brownie de maconha para encontro com amigas em centro de idosos

Doce 'batizado' feito pelo filho deixou idosas com 'efeitos colaterais'

Aparentava ser um mero brownie de chocolate feito pelo filho. Ao vê-lo, uma idosa de 73 não pensou duas vezes e levou o quitute para degustá-lo na companhia de suas amigas durante um jogo de cartas em um centro de idosos nos Estados Unidos. No entanto pouco após o grupo degustar o bolo, todos que o consumiram começaram a apresentar os mesmos sintomas, deixando-os com medo de terem sido envenenados. Uma investigação policial verificou, por fim, que o brownie era de maconha, e o que os idosos sentiram foram os efeitos da droga.

A situação só piorou no decorrer dos dias. Como o consumo da droga não é legalizado na Dakota do Sul, o filho que preparou o doce foi preso por posse de substância controlada. 

Segundo a emissora "KCRG", Michael Koranda, de 46 anos, contou ter comprado cerca de 450 gramas de manteiga de maconha numa viagem que havia acabado de fazer ao Colorado — onde o uso recreacional é permitido. Ele disse que assou o brownie com metade do produto. O restante, de acordo com a mídia local, foi entregue à polícia para constar como evidência.

A prisão ocorreu em 5 de janeiro, um dia após o consumo no centro de idosos. Michael, que trabalha como diretor de um coral escolar, foi mais tarde solto mediante pagamento de fiança, cujo valor não foi divulgado. A mãe dele, Irene Koranda, não foi acusada pois levou o bolo aos colegas por engano, conforme relatou. Michael, por sua vez, tem uma audiência marcada para o dia 25 de janeiro.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas