Por liberdade ou economia, foliões curtem o Carnaval na pipoca

carnaval
02.03.2019, 17:57:00
Atualizado: 02.03.2019, 17:58:27
Folião pipoca lota o Campo Grande para curtir o trio sem cordas puxado pelo cantor Saulo (Daniela Leone/ CORREIO)

Por liberdade ou economia, foliões curtem o Carnaval na pipoca

Uma multidão acompanhou o trio sem cordas puxado pelo cantor Saulo, no Campo Grande

Nada de cordas e abadá. O geólogo Adenilson Júnior, 26 anos, gosta de curtir o Carnaval de Salvador na pipoca. Ele costumava sair em blocos, mas agora não abre mão da liberdade de se divertir com várias atrações ao mesmo tempo. "Você curte da mesma forma que em bloco, mas se diverte mais, porque pode aproveitar outras atrações e não uma coisa só", afirmou o folião, que nesse sábado (2) foi curtir a pipoca de Saulo no Circuito Osmar.

Assim como ele, uma multidão se reuniu no Campo Grande pra ir atrás do cantor. A fotógrafa Sandra Farias, 38 anos, só curte a folia momesca na pipoca e, como é fã de Saulo, marcou presença. "Sempre vou um pouquinho atrás dos trios, mas seguir mesmo, só a pipoca de Saulo. É especial, tranquila e vira uma grande festa", disse.    

A contadora Milena Botelho, 41 anos, admite que não gostava muito de ficar na pipoca, mas mudou de ideia para continuar acompanhando o ídolo. "Pulei sete anos no bloco Eva, mas Saulo resolveu pipocar e eu pipoquei junto. Gosto mais de bloco, mas as atrações da pipoca hoje em dia estão melhores". 

Pedro Midlej, 27 anos, tem opinião semelhante. "As atrações da pipoca desse ano estão mais vantajosas que as dos blocos", avaliou o advogado, que foi pra rua fantasiado de Fred Flintstone. A namorada, a estudante Alana Nascimento, 21 anos, incorporou a Vilma. 

A estudante Alana Nascimento e o advogado Pedro Midlej se fantasiaram para curtir a pipoca de Saulo no Campo Grande (Daniela Leone/ CORREIO)

Acompanhe todas as notícias do Carnaval Correio Folia 2019

A possibilidade de se vestir como quiser, sem ter que acompanhar um padrão, é uma das atrações da pipoca na opinião do professor Luan Santos, 30 anos. Turista de Aracaju, o folião se fantasiou de super heroi na sexta-feira (1) e nesse sábado foi para as ruas de pirata. "Acho muito bom ter a autonomia de vir como quiser. É muito divertido". 

Divorciada, a psicóloga Suemar Palmeira, 38 anos, foi atrás de Saulo caracterizada de noiva e exibiu muita disposição. "Ainda quero ficar pra curtir o Harmonia do Samba e também Carla Perez". Para ela, a economia é uma das vantagens de sair na pipoca. "Não paguei nada e tô de boa". O comerciante Rogério Almeida, 39 anos, concorda. "O custo benefício é sensacional. Além de curtir muito, não tô gastando tanto dinheiro, só mesmo com alimentação, bebida e transporte", afirmou. 

A psicóloga Suemar Palmeira só curte o Carnaval na pipoca (Daniela Leone/ CORREIO)

A diarista Lucineide Santos, 46 anos, já avisou: vai pipocar até a Quarta-Feira de Cinzas. "Tô com muita energia pra gastar. A pipoca é uma maravilha. Já fui na pipoca de Léo Santana, Saulo, quero ir na de Daniela Mercury e em outras. Vou de pipoca o Carnaval todo", vibrou. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas