Porteiro agredido por motoboy em confusão no Rio morre em hospital

brasil
05.04.2021, 10:32:00
(Reproduçao)

Porteiro agredido por motoboy em confusão no Rio morre em hospital

Entregador diz que foi hostilizado e agredido ao sair por portaria social

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O porteiro Jorge José Ferreira, 57 anos, agredido durante uma briga com um motoboy no Rio de Janeiro, morreu na noite do sábado (3). Segundo o Uol, Jorge foi transferido do Hospital Lourenço Jorge para o Hospital Miguel Couto na noite de 29 de março e morreu em decorrência de traumatismo craniano.

Parentes dizem que o entregador usou um guidão de bicicleta para agredir o porteiro. Jorge recebeu sete golpes na cabeça e foi socorrido por outros funcionários do prédio. O entregador Marcus Vinícius Gomes Corrêa afirmou que os porteiros "implicaram" com ele por usar uma saída social do condomínio.

"A família está em luto e agradece a todos pelas orações", disse o advogado da família, Bruno Castro.

O motoboy fez um vídeo em que aparecia no chão, imobilizado por outro funcionário do condomínio. Ele afirmou que foi agredido no local e que suas ações foram em legítima defesa.

Ao Uol, ele afirmou que ficou em choque com a morte do porteiro Jorge. "Estou péssimo, muito mal. Completamente arrasado, em choque. Eu não durmo direito, vivendo à base de remédios para dormir. Eu não queria que nada disso tivesse acontecido. Eu sinto muito. Choro o dia todo, meu mundo desabou", afirma.

O caso é investigado na Delegacia da Barra da Tijuca. 

Relembre
Motoboy e porteiro depois que Marcus Vinícius tentou deixar o condomínio pela portaria social, e não a de serviço. O entregador diz que foi abordado de maneira agressiva e que foi humilhado ao ser impedido de sair. Houve discussão. 

O entregador tentou forçar passagem e ao ser impedido deu dois chutes no porteiro. Já na área externa, o portiero pega o guidão de uma bicicleta na guarita e agride o entregador, que revida. As agressões só pararam quando Jorge caiu no chão. Outros funcionários então seguram o motoboy.

"Eu me perdi, só estava tentando sair do prédio quando um porteiro veio falando comigo descontrolado, me humilhando dizendo que eu era motoboy e não podia sair por ali. Ele poderia ter me orientado com educação", disse na época Marcos Vinícius. "Ele começou a me cercar, me empurrar, falei para ele não colocar a mão em mim. Até que ele foi na guarita, pegou uma barra de ferro e me acertou. Eu consegui tirar a barra da mão dele e revidei. Depois, vieram mais porteiros e um morador que ameaçou me matar, me sufocaram".

Ele gravou um vídeo, no chão, afirmando que havia sido agredido por quatro porteiros e um morador que era policial. 

A família conta que Jorge trabalhava há 19 anos no condomínio e era um funcionário querido, sem histórico de confusões. "Ele disse que apanhou tanto, mas não tem uma escoriação. Foram sete golpes de barra de ferro que o motoboy deu nele", disse um familiar.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas