Prates comemora missão cumprida pelo time de transição do Bahia

e.c. bahia
28.02.2021, 21:35:59
Atualizado: 28.02.2021, 23:36:13
Bruno Camilo fez o segundo gol do Bahia, de pênalti (Rafael Machaddo / EC Bahia)

Prates comemora missão cumprida pelo time de transição do Bahia

Técnico explica formação com três zagueiros e recuo no final do jogo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Bahia estreou na Copa do Nordeste neste domingo (28), vencendo o Salgueiro, fora de casa, por 3x2. O tricolor, que atuou com o time de transição, dominava e vencia por 3x0 até os cinco minutos finais, quando deixou o adversário encostar.

Em entrevista coletiva após o duelo, o técnico Cláudio Prates explicou o recuo do time nos minutos finais: “A gente se posicionou mais atrás. Quem já veio a Salgueiro sabe da dificuldade que é jogar aqui. O campo prejudica muito, o treinador deles até pediu para que fosse feito um corte na grama, que é muito fofa, e isso é muito desgastante”

“Clima muito úmido, muita dificuldade para que a gente circulasse a bola. Então, tudo isso dificulta muito. Não achei que (o time) tenha cansado. Fomos organizados até o final. Tem algumas coisas que a gente sabe que precisa melhorar, questão de ansiedade, de diminuir um pouquinho o volume de jogo no final e controlar um pouquinho mais o jogo, mas eles estão de parabéns”, completou.

O time de transição, que no início de temporada se dedica à disputa do Campeonato Baiano, entrou em campo nessa estreia porque a equipe principal está de folga até terça-feira (2), após a disputa da Série A. Só deve estrear na Copa do Nordeste no sábado (6), contra o Botafogo-PB.

Prates explicou a formação com três zagueiros, que muito se assemelha à utilizada por Dado Cavalcanti no time principal na reta final do Brasileiro: “A ideia era usar um volante recuando para fazer uma linha de cinco na fase defensiva. Mas estávamos sem quatro jogadores para o meio-campo: sem Caio, Raniele, Luiz, Jeferson… Isso nos fez optar por uma formação com três zagueiros na linha de cinco”.

“Mas o terceiro zagueiro era o Everson, que tem qualidade também de volante, saiu bem para o jogo, adiantou. Por vezes, a gente não fez uma linha de cinco, fez um 4-3-3. Então essas variações eles cumpriram à risca, e a gente ficou muito feliz, principalmente pelo comprometimento tático deles”, completou o treinador sobre a formação escolhida.

Para Prates, o time de transição cumpriu a missão de dar o primeiro passo de maneira positiva para o tricolor numa competição tão importante para o clube: “Esse triunfo tem que ser muito comemorado. E, acima de tudo, alavanca um pouquinho mais do trabalho deles. Um trabalho que está sendo consistente, para sustentar o grupo principal”.

“Se não me engano, tem muito tempo que o Bahia não consegue um triunfo num jogo de estreia da Copa do Nordeste. Então, é importantíssimo. A gente alavanca isso. A gente sabe que o Bahia tem uma missão muito grande de conquistar esse caneco neste ano. Então a gente começa com muita alegria, já podendo levar o triunfo a Salvador e dar sequência à campanha”, finalizou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas