Prefeito de Candiba, no centro-sul baiano, fura fila e toma vacina contra covid-19

coronavírus
20.01.2021, 14:28:00
Atualizado: 20.01.2021, 16:33:46
À esquerda, Reginaldo Prado (PSD) posa para a foto segurando a vacina. À direita, o imunizante é aplicado no braço esquerdo do prefeito (Divulgação/Prefeitura de Candiba)

Prefeito de Candiba, no centro-sul baiano, fura fila e toma vacina contra covid-19

Segundo o Ministério Público, o ato pode configurar crime de prevaricação, abuso de autoridade e ato de improbidade administrativa

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em Candiba, no centro-sul baiano, o prefeito Reginaldo Prado (PSD) foi uma das duas primeiras pessoas a tomarem a vacina contra a covid-19, mesmo sem fazer parte do grupo prioritário. O gestor tem 60 anos e foi eleito em 2020 para administrar a cidade de cerca de 15 mil habitantes. Nesse primeiro momento, apenas 100 doses da Coronavac foram destinadas à prefeitura que deveria, de acordo com o próprio plano municipal de vacinação, imunizar os trabalhadores da saúde e idosos com 75 anos ou mais.  

Ainda de acordo com o plano municipal, o prefeito só poderia ser vacinado na fase 2, composta por idosos de 60 a 74 anos, em conformidade com a orientação do plano estadual de imunização divulgado pelo Governo do Estado. Mesmo assim, a divulgação da vacinação do prefeito da cidade aconteceu na própria rede social da prefeitura de Candiba.  

“A biomédica Mirele Costa Cruz do Hospital e Maternidade de Candiba, profissional da linha de frente, juntamente com o Prefeito Reginaldo foram os primeiros a receber a dose da vacina”, escreveram.  

A postagem gerou críticas dos seguidores, o que fez com que a prefeitura desativasse a opção de comentar naquela publicação. Após a repercussão negativa no município, na manhã dessa quarta (20), o prefeito apareceu em um vídeo tentando se justificar. Disse que foi convidado para encorajar os profissionais de saúde que estariam "preocupados" em tomar a vacina.  

“As pessoas que trabalham no posto de saúde, no combate à covid, me convidaram para estar lá com eles. Ao chegar lá, até o pessoal da saúde estava preocupado em tomar a vacina. Eu respondi que não tem nada demais, que eles podem tomar despreocupados. Com isso, no meio de tantas pessoas, perguntaram o motivo de eu não ser o primeiro a tomar. Dei de mim o melhor autorizando a me aplicarem a vacina”, afirma.  

Ainda para o prefeito, a sua atitude foi fruto de uma boa intenção. “Eu tomei não preocupado com meu bem estar e sim em encorajar e incentivar as pessoas. Não senti dor e após 24h estou sem qualquer mal estar. Então, digo que as pessoas podem tomar a vacina, ela é eficaz, não tem dor, não tem nada de anormal”, argumentou.  

Posições 
Procurada, a assessoria de comunicação da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) informou que a responsabilidade da fiscalização é do Ministério Público e da Polícia Federal.  

Na segunda, enquanto aguardava a chegada das doses da coronavac em Salvador, o secretário de saúde Fábio Vilas-Boas já tinha comentado sobre a possibilidade da fila de vacinação não ser respeitada em algumas cidades do estado. “Eu não tenho como fiscalizar isso. Essa vai ser uma responsabilidade do gestor municipal”, disse. 

O CORREIO procurou a Policia Federal e a Polícia Militar, responsável pela operação de guarda, transporte e segurança da vacina, mas não obteve resposta até o fechamento do texto. Já o Ministério Público do Estado da Bahia (MPBA) disse que tomou conhecimento do fato e que tomará as medidas cabíveis para apuração do mesmo. “A princípio, pode se configurar como crime de prevaricação, abuso de autoridade e ato de improbidade administrativa”, explicaram. 

Ainda em vídeo, o prefeito de Candiba Reginaldo Prado (PSD) pediu desculpa pelo seu ato. “Peço perdão se errei, se fiz algo a desejar, mas a maior testemunha que eu tenho é Deus e a minha mente, que o meu objetivo foi dar de mim o melhor para o povo candibense e fiz isso ao tomar a vacina, incentivando outras pessoas a tomar”, concluiu.  

Em nota, a prefeitura reafirmou que o prefeito foi imunizado em um ato de demonstração de segurança, legitimidade e eficácia da vacina, como forma de incentivo para a população que, segundo palavras da própria prefeitura, “está desacreditada”.  

“Ele se enquadra nos critérios de vacinação, tem 60 anos, é hipertenso e diabético. A intenção foi apenas encorajar àqueles que ainda estão resistente e questionam a efetividade da vacina. Juntamente com ele, a biomédica Mirele, que está na linha de frente, também foi vacinada. Ainda hoje iniciaremos com a vacinação do restante dos profissionais de saúde”, disseram.  

Confira as duas publicações citadas:  

 

Pelo Nordeste
Não foi só em Candiba que a ordem de vacinação foi desrespeitada pelas autoridades municipais. Na cidade de Itabi, em Sergipe, com população de 5 mil pessoas, o prefeito Júnior de Amintas (DEM), 46 anos, foi o primeiro a ser imunizado, o que aconteceu nesta terça-feira (19). Em nota oficial de esclarecimento, a Secretaria de Saúde disse que o gestor foi vacinado para estimular as pessoas a se vacinarem.  

“Segundo o informe técnico ‘Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19', elaborado pelo Ministério da Saúde, é ‘facultado a estados e municípios a possibilidade de adequar a priorização conforme a realidade local’, razão pela qual o prefeito foi imunizado”, disseram.  

Já em Jupi, interior de Pernambuco, a secretária de Saúde Maria Nadir Ferro e um fotógrafo oficial da prefeitura, conhecido como Guilherme JG, foram vacinados sem fazerem parte do grupo prioritário. O município recebeu apenas 136 doses.  

“A gestão repudia totalmente qualquer ilegalidade na não observação do plano estadual e municipal de imunização, principalmente em relação a vacinação de pessoas fora do quadro prioritário, a qual nesta fase abrange a vacinação dos profissionais de saúde que estejam no combate à covid-19", afirma a nota da prefeitura, que afastou os servidores. 

* Com orientação da subchefe de reportagem Monique Lobo

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas