Prefeitura fecha 535 estabelecimentos e interdita 31 em Feira de Santana

coronavírus
01.06.2020, 12:57:00
(Divulgação)

Prefeitura fecha 535 estabelecimentos e interdita 31 em Feira de Santana

Comércios estavam desrespeitando medidas restritivas impostas na cidade

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Prefeitura de Feira de Santana fechou 535 estabelecimentos comerciais por desrespeito às medidas restritivas tomadas para combater a pandemia da covid-19. Trinta e um foram interditados por insistirem no descumprimento das regras. Os números são desde o dia 21 de maio, quando houve intensificação da fiscalização.

O prefeito Colbert Martins (MDB) apresentou os dados nesta segunda-feira (1º), destacando que a maioria destes locais interditados é de bares, lojas de conveniência, restaurantes e academias - todos proibidos por decretos de funcionar por agora.

A taxa de isolamento em Feira é de 49,4%, disse Colbert, ainda abaixo do índice do estado, de 57,9%, embora o prefeito afirme que tem aumentado nos últimos dias. Na quinta e sexta da última semana, as taxas ficaram em 47,2% e 46,1%, respectivamente. 

Até o momento, Feira tem 563 casos confirmados de covid-19, com 166 recuperados, dez hospitalizados e doze mortes. 

"Precisamos agora intensificar as ações para conter o aumento da transmissão, buscando evitar as aglomerações. Temos uma taxa de isolamento social de 49,4%. Muita gente em Feira ainda está se deslocando, desrespeitando as medidas restritivas. Então, precisamos intensificar com as medidas, a fiscalização, para que esta taxa de isolamento aumente e a transmissão reduza", afirma o prefeito. 

Mais três leitos de UTI e até oito clínicos do hospital de campanha da cidade devem ficar prontos ainda hoje, segundo o prefeito.

"A equipe que vai trabalhar na linha de frente já está preparada para atuar. Intensificamos os trabalhos no final de semana para que possamos colocar o hospital para funcionar o quanto antes. Estamos buscando ainda cinco respiradores e bombas de infusão, que não encontramos no mercado. Inclusive, falei com o governador Rui Costa (PT) sobre essas questões", diz.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas