Presos estrangeiros que venderiam drogas no reveillon de Caraíva

salvador
24.12.2010, 16:33:00

Presos estrangeiros que venderiam drogas no reveillon de Caraíva

Cada um dos europeus estava com duas cartelas com 500 selos de LSD. Junto aos dois acusados, estava a turca Yasemin Haasambas, de 27 anos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Redação CORREIO

Policiais da 7ª Delegacia, no Rio Vermelho, prenderam na manhã desta sexta-feira (24) três estrangeiros acusados de tráfico internacional de drogas. Os policiais chegaram ao grupo através de uma denúncia anônima. O irlandês Mark Boyle, 35 anos, e o português Carlos André Genebra Freire, 27 anos, chegaram em São Paulo e vieram para a Bahia, onde pretendiam passar três meses. Cada um dos europeus estava com duas cartelas com 500 selos de LSD. Junto aos dois acusados, estava a turca Yasemin Haasambas, de 27 anos, que também foi presa.

O grupo contou à polícia que pretendia passar o período no Brasil vivendo da venda de artesanato. Carlos é professor de ciência da natureza e matemática, mas estava desempregado na Irlanda, e decidiu vir para o Brasil principalmente por causa do frio que atinge o continente europeu. Mark trabalha na construção civil da Irlanda e conheceu Yasemin quando passava férias na Turquia. Ele acabou descobrindo que ela também planejava vir ao Brasil e os três se juntaram para a viagem.

Segundo os dois acusados, a droga era para consumo próprio — “se alguém quisesse, venderíamos ao preço de dois ou três euros, cada selo”, explicou o português. As cartelas foram misturadas a documentos para não chamar a atenção nos aeroportos.

Sobre a participação da mulher no tráfico, o irlandês esclareceu: “Ela não sabia, não está envolvida”. Segundo o diretor do Departamento de Narcóticos, Cleandro Pimenta, eles estavam hospedados no hotel Mar Brasil, perto do Farol de Itapuã, e vieram à Bahia para participar do Festival de Música Eletrônica 303, em caraíva, distrito de Porto Seguro, que foi proibido pela Justiça. Os três permanecerão detidos aguardando julgamento.

(Com informações do repórter Bruno Menezes)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048