PRF apreende 74 aves vítimas de maus tratos; suspeitos tinham até animais ameaçados de extinção

bahia
20.02.2021, 12:47:03
Atualizado: 20.02.2021, 12:50:43
(Foto: PRF/Divulgação)

PRF apreende 74 aves vítimas de maus tratos; suspeitos tinham até animais ameaçados de extinção

Operação foi deflagrada em Ribeira do Pombal e Paulo Afonso

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) deflagrou uma operação contra o tráfico de animais silvestres na Bahia, na última sexta-feira. O objetivo era, segundo a PF, era coibir a criação e a caça dos animais com ações pontuais nas cidades de Ribeira do Pombal e Paulo Afonso. 

Para PRF, a Bahia destaca em casos de tráfico de animais silvestres por sua grande diversidade da fauna brasileira, além de ser a principal rota entre a região Sudeste e os demais estados do Nordeste.

Os policiais encontraram uma grande quantidade de aves aprisionadas em gaiolas pequenas e em condições precárias de falta de higiene (cobertas com fezes e urina), sem água, com restrição de movimento, privação de luz e sem circulação de ar. De acordo com a PRF, havia condições evidentes de maus-tratos.

Ao todo foram resgatadas 74 aves silvestres das espécies conhecidas popularmente como cabeça vermelha, azulão, bigodinho, canário da terra, sabiá larajeira, sofré, sanhaço, periquito da caatinga, curió, tico-tico, coleirinha, baiano, cabloclinho, canário belga.

Foram resgatadas até mesmo aves ameaçadas de extinção. Um dos exemplos é o pássaro conhecido como azulão, natural da caatinga e alvo constante de traficantes por sua beleza exuberante e alto valor no mercado. Esses pássaros costumam ser levados para todo o país e até para o exterior por seu canto diferenciado.

Os responsáveis pela criação e aprisionamento ilegal foram identificados e assinaram o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Eles devem responder por crimes contra o meio ambiente. A PRF também promoveu ação de conscientização e educação ambiental.

As aves foram encaminhadas ao Cetas. Lá, passaram por triagem e foram alimentadas e tratadaspor equipes de veterinários, biólogos e demais profissionais capacitados. Alguns deles tinham condições de serem reinseridos na natureza e foram soltos ainda durante a operação.

No entanto, em muitas situações, os animais precisam de maiores cuidados veterinários por lesões provenientes da captura ou por estarem debilitados por conta da má alimentação no cativeiro. Além de tratar a saúde, é comum que tenham que reaprender funções básicas como voar e buscar seu alimento na natureza.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas