Projeção do IPCA/17 no cenário de referência cai de 4% para 3,8% na ata do Copom

economia
02.03.2017, 09:37:00
Atualizado: 02.03.2017, 09:41:44

Projeção do IPCA/17 no cenário de referência cai de 4% para 3,8% na ata do Copom

A projeção foi feita com base na premissa de que as taxas de juros e câmbio seguirão inalteradas por todo o horizonte da estimativa

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

As estimativas oficiais do Banco Central (BC) para a inflação caíram novamente e as projeções do chamado "cenário de referência" já indicam inflação de 3,8% para 2017. A expectativa consta da ata da reunião da semana passada do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC. No encontro anterior do colegiado, a previsão para o IPCA em 2017 era de 4,0%. Para 2018, a expectativa também caiu marginalmente e passou de 3,4% para 3,3%

A projeção foi feita com base na premissa de que as taxas de juros e câmbio seguirão inalteradas por todo o horizonte da estimativa. Segundo o BC, a expectativa foi construída com base na manutenção do juro em 13% ao ano (quadro observado até a semana passada) e na taxa de câmbio em R$ 3,10. Ao contrário de outras atas, o texto divulgado na manhã desta quinta-feira, 2, não usa a expressão "cenário de referência" e explica as projeções "com taxas de juros e câmbio inalteradas".

No chamado "cenário de mercado" - que leva em conta a evolução das projeções dos analistas, a previsão para o IPCA em 2017 caiu de 4,4% para 4,2%. Para 2018, a expectativa desse cenário seguiu em 4,5%, mesmo patamar observado na ata anterior. 

O cenário de mercado leva em conta a evolução esperada para as taxas de juros - com taxa Selic de 9,50% ao ano no fim de 2017 e 9,00% ao fim do próximo ano - e câmbio - com R$ 3,30 no fim de 2017 e R$ 3,40 no ano seguinte.

Preços administrados

O Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a projeção para o aumento dos preços administrados em 2017, mas elevou marginalmente a expectativa de aumento desse conjunto de preços em 2018. As estimativas constam da ata Copom divulgada pelo Banco Central nesta manhã. 

No documento, a previsão de aumento para o conjunto de preços administrados - como tarifas públicas e outros preços decididos pelo poder público - recuou de 6% para 5,8% neste ano. 

Para o próximo ano, a previsão do Comitê foi no sentido contrário e subiu ligeiramente de 5,2% na reunião passada para 5,3% neste encontro que reduziu o juro básico de 13% para 12,25% ao ano.

A trajetória dos preços administrados compõe o conjunto de indicadores condicionais para a inflação analisado pelo Copom.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas