Quadrilha vendia ecstasy em rede social e festas na Barra e Rio Vermelho

salvador
25.08.2020, 14:10:00
Atualizado: 25.08.2020, 19:48:30
(Alberto Maraux/SSP)

Quadrilha vendia ecstasy em rede social e festas na Barra e Rio Vermelho

Droga também era enviada pelos Correios; 8 suspeitos de classe média foram presos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Oito pessoas foram presas em uma operação de combate ao tráfico de drogas sintéticas na Bahia. Negociados pelo Instagram, os comprimidos de ecstasy eram enviadas pelos Correios ou vendidas em raves e boates no Rio Vermelho e Barra. Setenta e cinco policiais civis participaram da ação nesta segunda-feira (25) para desbaratinar o esquema dos traficantes.

Todos os envolvidos, que não tiveram nomes divulgados, são universitários de classe média. Um deles mora em um apartamento de R$ 3 milhões. Eles vão responder por tráfico de drogas, associação ao tráfico e lavagem de dinheiro. 

A maioria das ações do grupo em uma boate do Rio Vermelho, uma na Barra e uma espaço de shows de música eletrônica na Paralela. Segundo o delegado, não foi encontrado nenhum indício de conivência dos donos dos estabelecimentos onde o tráfico acontecia. "Durante o tempo de investigação, não foi constato nada que ligue os acusados aos donos de boates,  por exemplo. Pelo contrário. Nas apurações, os presos bolavam estratégias para burlar a fiscalização desses lugares", disse o delegado. Já as festas raves terão "uma investigação mais aprofundada".

(Fotos de Alberto Maraux/SSP)
(Alberto Maraux/SSP)
(Alberto Maraux/SSP)
(Alberto Maraux/SSP)
(Alberto Maraux/SSP)

"Para se ter uma ideia do montante, numa festa rave, eles vendiam 600 comprimidos.  Cada comprimido era vendido no início da festa por R$ 35 e R$ 40. No meio da festa, considerado o ápice, cada comprimido era comercializado a R$90", declarou o delegado Alexandre Galvão.

Os mandados de prisão foram cumpridos em Salvador nos bairros do Rio Vermelho, Graça, Corredor da Vitória e Bonfim, além do Presídio Salvador, onde um dos alvos já estava preso por tráfico de drogas. Em Lauro de Freitas, houve uma prisão em Vilas do Atlântico. Além disso, houve mandados de busca e apreensão em Salvador, Feira de Santana e São Sebastião do Passé. O suspeito que já estava preso por tráfico está detido desde que foi flagrado há três meses com 4 kg de haxixe. 

Durante o cumprimento dos mandados, algumas pessoas  que estavam com os alvos foram levadas para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) para serem ouvidas. Segundo apurou o CORREIO, entre essas pessoas está uma blogueira, namorada de um dos presos. A operação ainda apreendeu uma BMW, uma moto Holiday e um Renault Kwid.

"Eles estavam hibernando. Como as festas particulares e boates estão proibidas, por conta da pandemia, eles estavam se preparando para o retorno", contou o delegado. "Existem outras pessoas que estão sendo investigadas e que as prisões foram solicitadas", acrescenta, sinalizando que as investigações duraram um ano e meio. Ele diz ainda que a Bahia não tem tradição na produção de drogas sintéticas e que elas chegam ao estado vindos do Sul ou de fora do país.

Os Correios garantiram que trabalham em parceria com os órgãos de segurança pública para prevenir o tráfico de itens proibidos através do serviço postal. A empresa pública informou que os empregados atuam visando identificar postagens cujo conteúdo estão em desacordo com a legislação e quando um objeto proibido ou ilícito é detectado, os órgão competentes são acionados. "Muitas das operações policiais começam por apreensões realizadas pela fiscalização dos Correios", disse.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas