Raio-x: Os números do Vitória na temporada 2021

e.c. vitória
08.05.2021, 04:58:00
Lateral esquerdo Pedrinho foi um dos destaques do Vitória nos quatro primeiros meses do ano (Pietro Carpi/EC Vitória)

Raio-x: Os números do Vitória na temporada 2021

Com pratas da casa como artilheiro e garçom, rubro-negro tem 52,4% de aproveitamento

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Os três primeiros meses da temporada não foram como o torcedor do Vitória gostaria. O sonho de erguer mais uma taça da Copa do Nordeste acabou diante do Ceará, nas semifinais. Se no regional o rubro-negro ainda figurou entre os quatro melhores do torneio, no Campeonato Baiano a campanha foi catastrófica. Pelo terceiro ano consecutivo, o Leão foi eliminado na fase classificatória do estadual.

As estatísticas não entram em campo, mas muitas vezes sinalizam onde é preciso focar as energias para melhorar o time. O Vitória jogou  21 vezes na atual temporada. Foram oito triunfos, nove empates e quatro derrotas. O aproveitamento é de 52,4%.

O melhor desempenho é na Copa do Brasil, já que a equipe venceu as duas partidas que disputou, contra Águia Negra-MS (1x0) e Rio Branco-ES (2x0). A terceira fase será disputada em junho e o rival será o Internacional, agora em jogos de ida e volta.

Na Copa do Nordeste, o aproveitamento foi de 53,3%. O time comandado por Rodrigo Chagas foi derrotado duas vezes e pelo mesmo adversário. Carrasco, o Ceará venceu na fase de grupos, por 3x1, e depois por 2x0 nas semifinais. Os dois confrontos foram no estádio Castelão, em Fortaleza.

O Baiano foi o campeonato menos priorizado. O Leão disputou os três torneios com o mesmo elenco e usou os reservas em alguns jogos do estadual. Não à toa, foi a competição em que apresentou o pior desempenho: 40,7%. Como consequência, sofreu a eliminação na fase classificatória. 

DEFESA E ATAQUE
A defesa sofreu 20 gols, sendo 10 no Campeonato Baiano e outros 10 na Copa do Nordeste. A zaga não foi vazada nas duas primeiras fases da Copa do Brasil. A média é de 0,95 por jogo. 

O caminho do gol foi encontrado 26 vezes, tendo média de 1,2 por partida. O número poderia ser bem maior se o time não tivesse desperdiçado tantas oportunidades.

Na avaliação de Rodrigo Chagas, o setor ofensivo ainda precisar ser mais trabalhado. “São muitas chances de gols que temos e não colocamos a bola para dentro. Isso faz falta no final. Eu já trabalho isso bastante. Infelizmente, a gente não está tendo êxito, não está colocando a bola para dentro. É um item muito forte que tenho que trabalhar para que a gente possa ter vitórias no Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil”, disse o treinador após o empate em 1x1 com o Fluminense de Feira na última quarta-feira.

O jogador que mais vezes estufou a rede foi Samuel. O centroavante revelado na Toca mostrou faro de gol ao assinar seis tentos. O vice-artilheiro também é um prata da casa, David, que anotou quatro. Ele também o garçom do time, com quatro assistências.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas